Obama destaca avanços da economia em discurso

Presidente dos EUA também defendeu o Acordo de Paris

Da Redação

redacao@amanha.com.br

Obama destaca avanços econômicos em seu último discurso aos norte-americanos


Restando dez dias para a entrega da presidência do país para Donald Trump, o presidente norte-americano Barack Obama (foto) discursou na noite desta terça-feira (10) por mais de 50 minutos para 20 mil pessoas no McCormick Place, em Chicago. Ao decidir falar na cidade, Obama quebrou uma tradição de seus antecessores, que discursaram em suas despedidas na Casa Branca. Também foi em Chicago onde ele conheceu sua mulher, Michelle, e onde nasceram as filhas do casal, Sasha e Malia.

Ao enumerar avanços econômicos como a redução da pobreza e a criação de empregos, além de avanços internacionais como o acordo nuclear com o Irã, Obama afirmou que seria difícil acreditar que tudo isso um dia seria realizado. "Mas foi isso que fizemos", ressaltou. O presidente falou ainda sobre a democracia nos Estados Unidos e reforçou a importância da união. A questão racial também teve destaque e Obama fez questão de incluir a questão da imigração em sua fala. "Se não estivermos dispostos a investir nos filhos de imigrantes... diminuímos os prospectos de nossos próprios filhos. Avançando, temos de apoiar leis contra a discriminação - em contratações, em moradias, na educação e no sistema judiciário e criminal", sublinhou.

Obama ressaltou ainda a importância de notícias "reais" e de apoiar e confiar na ciência, citando avanços no combate ao aquecimento global e defendendo o Acordo de Paris, assunto no qual tem grandes discordâncias com Trump. Ao falar sobre terrorismo e segurança, o presidente lembrou que nenhum grande ataque foi cometido no país nos últimos oito anos. Ele destacou ainda que a coalizão liderada pelos Estados Unidos atingiu os principais líderes do Estado Islâmico.

O presidente também incentivou os cidadãos a participarem mais ativamente da vida pública. "A América não é uma coisa frágil. Mas os ganhos de nossa longa jornada até a liberdade não estão assegurados. Apesar de todas as nossas diferenças externas, nós, na verdade, dividimos todos o mesmo título orgulhoso: cidadãos. Nossa democracia precisa de vocês. Não apenas quando há uma eleição, mas durante toda a sua vida", declarou. Encerrando o discurso, Obama recorreu ao slogan de sua primeira campanha, em 2008. "Sim, nós podemos. E nós fizemos. Sim, nós podemos", concluiu.





leia também

A briga dos EUA com a China beneficiará o Brasil? - Os dois países têm estratégias claras e mercados consumidores imensos

A saída dos EUA da TPP pode ser vantajosa para a China - Decisão de Trump abre caminho para o gigante asiático dominar as maiores rotas comerciais do mundo

As propostas de Hillary e Trump para a economia - O Brasil não é prioridade nas relações internacionais dos candidatos

Bolsa fecha em queda e dólar tem maior alta em oito anos - Vitória de Donald Trump ainda gera incertezas no mercado

Dólar fecha em alta e Bolsa em queda por causa de Trump - Os mercados deverão reagir com instabilidade nos próximos dias

Dólar fecha em alta pelo quarto pregão seguido - Moeda acumula alta de 8,6% desde a eleição de Trump

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: