“Campeãs da Inovação” 2017 tem prazo prorrogado

Pesquisa aceita inscrições até 10 de fevereiro

Da Redação

redacao@amanha.com.br

“Campeãs da Inovação” 2017 tem prazo prorrogado

A edição 2017 da pesquisa Campeãs de Inovação tem novo prazo: 10 de fevereiro. As perguntas do estudo têm como objetivo fazer com que cada companhia possa medir seu grau de inovação – ferramenta essencial para o desenvolvimento de seus negócios. O questionário se encontra em um ambiente on-line. O processo para participar da pesquisa é simples. Inicialmente, as companhias que figuram entre as 500 maiores empresas do Sul recebem uma carta-convite que dá acesso ao questionário do projeto Campeãs de Inovação. Empresas sediadas no Paraná, em Santa Catarina e no Rio Grande do Sul – e presentes no ranking GRANDES & LÍDERES – 500 MAIORES DO SUL – poderão preencher o questionário clicando aqui. Companhias que não estão presentes no ranking, mas que gostariam de responder o questionário, devem enviar um pedido clicando aqui

Em sua décima-terceira edição, AMANHÃ oportuniza para as companhias do Sul uma evolução da pesquisa pioneira no Brasil. Em parceria com o IXL-Center e o GIMI, AMANHÃ apresenta um questionário mais dinâmico, intuitivo e de rápido preenchimento.  O IXL-Center (Center for Innovation, Excellence and Leadership), de Boston, é uma entidade que é referência mundial na investigação das melhores práticas de gestão da inovação. O Global Innovation Management Institute (GIMI) é uma organização global sem fins lucrativos criada por um grupo de executivos, acadêmicos e consultores especializados em inovação. 

“A nova pesquisa Campeãs de Inovação, totalmente em inglês, além de medir os resultados no campo da inovação de cada companhia, também apresenta campos para preenchimento de descrição de algumas práticas recorrentes, o que dará maior abrangência ao estudo”, enaltece Jorge Polydoro, presidente do Grupo AMANHÃ. Os questionários serão processados na Central do IXL Center, em Cambridge, Boston (MA). 

leia também

comentarios




Flammarion Cysneiros

Poderiam desenvolver essa pesquisa no Nordeste.

Comentar

Adicione um comentário: