Exportações de calçados tem alta de 4% em 2016

O último trimestre do ano alavancou os números do setor

Da Redação

redacao@amanha.com.br

Exportações de calçados tem alta de 4% em 2016

Se o mercado interno brasileiro não ajudou os calçadistas ao longo de 2016, o mesmo não se pode dizer dos compradores além-fronteiras. Com um câmbio favorável na maior parte do ano, apesar da instabilidade, os calçadistas fecharam 2016 somando 126,1 milhões de pares embarcados que geraram US$ 999 milhões, números superiores tanto em volume (1,7%) quanto em dólares (4%) no comparativo com 2015.

Segundo o presidente-executivo da Associação Brasileira das Indústrias de Calçados (Abicalçados), Heitor Klein, o último trimestre do ano passado alavancou os números das exportações do setor. “Vínhamos registrando incremento dos embarques desde agosto, com as vendas das coleções de primavera-verão, mas foi a partir de outubro que registramos os incrementos mais significativos”, explica. O dirigente ressalta que, além do câmbio, foram essenciais para o resultado as participações nas feiras internacionais por meio do programa Brazilian Footwear. “Hoje estamos presentes em mais de 150 países e essa qualificação e pulverização das exportações são devidas à atuação do programa mantido em parceria com a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil)”, avalia Klein, ressaltando que somente em dezembro foram embarcados 18 milhões de pares que geraram US$ 128 milhões, número 62% maior do que o registro de novembro e 7% superior que o mesmo mês de 2015.

Destinos
O principal destino de 2016 foram os Estados Unidos, país que importou 13,2 milhões de pares por US$ 221,3 milhões, 15,4% mais do que em 2015. O segundo destino seguiu sendo a Argentina. No ano passado, os hermanos compraram 9,4 milhões de pares por US$ 111,6 milhões, 65,4% mais do que em 2015. O terceiro destino do ano foi a França (9 milhões de pares por US$ 56 milhões, 2,1% mais do que em 2015) e o quarto o Paraguai (14,53 milhões de pares por US$ 47,4 milhões, 4,7% mais do que no período anterior). “O grande revés do ano foi a Bolívia, que perdeu uma posição no ranking, justamente para o Paraguai, após adotar licenças não-automáticas para a importação de calçados brasileiros”, comenta Klein. Para a Bolívia, as exportações caíram 8,3% em 2016.


leia também

Abicalçados vê recuperação gradual para o setor em 2017 - Estabilidade política e o potencial da economia motivam projeção

As sandálias sempre novas da Grendene - Produtos lançados no último ano são responsáveis por 90% da receita

Grupo Afeet acelera expansão no Sul - Empresa planeja dobrar o número de lojas na região até o fim de 2017

Maior abertura dos Estados Unidos anima calçadistas do Sul - Assinadas por Trump, regras que reduzem tarifas de 1,7 mil produtos importados entram em vigor no dia 13 de outubro

Picadilly: a moda que faz bem ao corpo - Conheça a empresa, case do livro “100 Marcas do Rio Grande”

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: