FMI: economia crescerá mais fortemente em 2017

Lagarde fez previsões em artigo para o jornal alemão Handelsblatt

Por Agência Brasil*

Christine Lagarde , presidente do FMI

A diretora do Fundo Monetário Internacional (FMI), Christine Lagarde (foto), afirmou nesta quarta-feira (4), em artigo para o jornal de negócios alemão Handelsblatt,  que 2017 poderá contar com crescimento mais forte e sustentável em nível global. “A Alemanha presidirá o G20 [grupo formado pelas 19 maiores economias do mundo mais a União Europeia] e se empenhará em medidas e em reformas estruturais, aumentando a capacidade de resistência das economias maiores", escreveu. 

Já a China, segundo ela, continuará a mudar o modelo econômico de exportação para a demanda interna e vários países asiáticos e sul-americanos ajudarão em um aumento da dinâmica jovem. A diretora do FMI também fez suas previsões para o governo do presidente eleito dos Estados Unidos (EUA), Donald Trump, que começará no próximo dia 20. "A nova administração dos EUA terá foco na reforma fiscal das empresas e nos investimentos de infraestrutura", aposta. 

Lagarde ressaltou, no entanto, que haverá desafios neste ano, em que foram criados pelos "fatores políticos que influenciaram 2016", e que "uma distribuição da renda mais igualitária" é de extrema importância. "O FMI acredita que uma distribuição da renda mais igualitária representa não apenas uma boa política social, mas também uma boa política econômica", reiterou a diretora na publicação alemã. Lagarde também acrescentou que nas últimas duas décadas, a renda dos 10% mais ricos da população mundial cresceu 40%, enquanto os mais pobres quase não ganharam. 

*Com Agência Ansa.


leia também

Economia brasileira crescerá este ano 0,3% - Banco Mundial ressalta que o país deve sair “lentamente” da recessão

A austeridade funciona ou só piora as coisas? - Gregos não tiveram opção a não ser aceitar mais medidas austeras

A medida da importância - A publicidade devia se preocupar mais com o retorno para os anunciantes, e não para o país

ABDI: crise argentina deixa Brasil sob alerta - Setor automotivo deve sofrer maior impacto

Ano novo, vida nova? Nem tanto - O cenário econômico brasileiro deve permanecer instável em 2016

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: