Recuperações judiciais batem recorde histórico em 2016

O resultado é o maior para o acumulado do ano desde 2006

Da Redação

redacao@amanha.com.br

Recuperações judiciais batem recorde histórico em 2016

De acordo com a Serasa Experian, no ano passado, foram requeridos 1.863 pedidos de recuperações judiciais, 44,8% a mais do que o registrado em 2015. O resultado é o maior para o acumulado do ano desde 2006, após a entrada em vigor da Nova Lei de Falências (junho/2005). Em 2015, foram 1.287 ocorrências contra 828 em 2014. Segundo os economistas da Serasa, o quadro recessivo da economia brasileira que prevaleceu em 2016, prejudicou a geração de caixa das empresas. Por outro lado, as companhias também se depararam com o crédito caro e escasso. Assim, houve deterioração da saúde financeira das empresas brasileiras, ocasionando patamar recorde dos pedidos de recuperações judiciais.

As micro e pequenas empresas lideraram os requerimentos de recuperação judicial de 2016, com 1.134 pedidos, seguidas pelas médias (470) e pelas grandes empresas (259). Na análise mês a mês, o Indicador verificou aumento de requerimentos de recuperação judicial em dezembro em relação a novembro (alta de 22,9%). Já na comparação entre dezembro de 2016 com o mesmo mês de 2015 houve queda de 3,3%.

Falências
No ano passado foram realizados 1.852 pedidos de falência em todo o país, uma elevação de 3,9% em relação aos 1.783 efetuados em 2015. Foi a maior quantidade destas ocorrências dos últimos quatro anos. Do total de requerimentos de falência efetuados em 2016, 994 foram de micro e pequenas empresas, 426 de médias e 412 de grandes. 


leia também

Dilma diz que sofreu segundo golpe de Estado na vida - Ex-presidente afirmou que recorrerá contra o que chamou de “fraude”

A China fez o que o mercado queria - Corte de juros era algo esperado, mas ainda não é suficiente para ajudar na recuperação econômica, afirmam especialistas

A estabilidade do funcionalismo público é mesmo necessária? - O tema é particularmente importante no contexto de ajuste fiscal, avalia Zeina Latif

A punição virá das gôndolas? - A tentativa de boicote às marcas do Grupo J&F

A recuperação judicial sob o viés do investidor - Palestra em Porto Alegre nesta sexta-feira (16) tem inscrições gratuitas

A responsabilidade do Congresso - O cuidado com os recursos públicos e o respeito à restrição orçamentária deveriam ser valores da casa, opina Zeina Latif

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: