BC aprova plano de recuperação do Badesul

Agência gaúcha de fomento venderá operações em prejuízo

Da Redação

redacao@amanha.com.br

BC aprova plano de recuperação do Badesul

O plano de recuperação do Badesul foi aprovado pelo Banco Central (BC). As medidas deverão ser colocadas em prática até o final de 2018. A agência gaúcha colocará à venda, por exemplo, as operações em prejuízo. A agência de fomento gaúcha é credora e tem dinheiro a receber, mas não sabe quando isso acontecerá, pois muitos dos devedores estão em processo de recuperação judicial – como a Iesa Óleo e Gás. “Para antecipar essas receitas e se viabilizar, o Badesul colocará os créditos à venda no mercado com deságio, em leilões. Os valores das negociações serão precificados por uma empresa especializada”, explica Susana Kakuta, presidente do Badesul, ao site do jornal Zero Hora desta terça-feira (27). 

O banco também prevê reduzir em 30% o tamanho da folha de pagamento. Para alcançar o objetivo, será mantido o plano de demissão incentivada iniciado em outubro. A presidência do banco também sugere o corte de diretorias, passando das atuais seis para três. O Badesul adotará metodologia mais rigorosa de atribuição de nota e avaliação de risco dos clientes que pedem empréstimo, próxima da praticada pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). “Vamos ter análise muito mais robusta como a de risco setorial, que não tínhamos”, revela Susana. Com o novo modelo, não será verificada somente a saúde financeira da empresa, mas também do nicho empresarial em que a companhia faz parte. O objetivo é evitar novos calotes e antecipar riscos de quebras. O último item do plano de recuperação é gerar novas receitas. A prestação de consultorias financeiras para municípios gaúchos, que estão entre os tomadores de empréstimo mais assíduos, seria um dos serviços oferecidos pela agência de fomento. 

leia também

A balança da produção está mudando – de novo - Karen Reddington, CEO da FedEx Ásia Pacífico, avalia mapa global da indústria

Acordos comerciais fortalecem exportação catarinense - A indústria de cerâmica é uma das primeiras beneficiadas

Alta no preço do gás natural surpreende indústria de SC - Tarifa do insumo recebeu elevação média de 10%

As jabuticabas tributárias fazem o Brasil ser injusto - Opinião é de Rafael Nichele, novo presidente do IET

Atividade econômica do Sul cai 2,5% em 2015 - Queda foi puxada por desempenho negativo do comércio e da indústria

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: