Governo tem déficit recorde de R$ 38,3 bi em novembro

É o pior resultado para o mês desde 1997, início da série histórica

Por Agência Brasil

Praça dos Três Poderes, em Brasília

O Governo Central (Tesouro Nacional, Previdência Social e Banco Central) registrou em novembro um déficit primário de R$ 38,3 bilhões, o pior resultado para o mês desde 1997, início da série histórica do indicador. O dado foi divulgado nesta segunda-feira (26) pelo Tesouro Nacional. O resultado primário é calculado com base nos gastos correntes do governo, excluindo da conta os custos com os juros da dívida pública. O resultado negativo recorde de novembro elevou o déficit primário registrado nos 11 primeiros meses do ano para R$ 94,1 bilhões, também o maior da série histórica. Entre janeiro e novembro de 2015, o déficit havia somado R$ 54,1 bilhões.

Para dezembro, o governo espera mais R$ 73,5 bilhões de déficit, o maior da história caso se concretize. A projeção se deve à expectativa do governo de quitar grande parte dos restos a pagar provenientes de exercícios anteriores. O governo federal possui um passivo de R$ 67,5 bilhões herdados de orçamentos passados, que são serviços e produtos adquiridos e ainda não pagos. “Estamos engajados em fazer um pagamento adicional e mais reforçado de restos a pagar, de modo a reduzir o estoque dessa conta”, anunciou Ana Paula Vescovi , secretária do Tesouro Nacional.

Meta fiscal

De acordo com as previsões do Tesouro Nacional, o Governo Central deve fechar o ano com déficit primário de R$ 167,7 bilhões, abaixo da meta aprovada pelo Congresso para 2016, de R$ 170,5 bilhões negativos. O valor foi recalculado para baixo para compensar uma menor economia dos estados e também absorver os R$ 2,8 bilhões de prejuízos que serão registrados pelas empresas estatais em 2016, de acordo com o Tesouro. 

Com isso, o governo federal pretende garantir o cumprimento da meta fiscal total (União, estados, municípios e empresas estatais), que segundo a Lei de Diretrizes Orçamentárias, deve ficar em R$ 163,9 bilhões negativos. O resultado das contas públicas em novembro vem na contramão do registrado em outubro, quando o Governo Central registrou superávit primário recorde de R$ 40,8 bilhões em razão da receita proveniente da regularização de ativos do exterior, programa que ficou conhecido como repatriação.

Previdência e receita líquida

Em novembro, a Previdência foi o item que mais contribuiu para o resultado negativo das contas do Governo Central, segundo o Tesouro. Entre janeiro e novembro, o setor acumula déficit de R$ 144,9 bilhões. Desse valor, R$ 77,6 bilhões estão ligados à previdência especial dos servidores públicos federais. Entre janeiro e novembro de 2016, os gastos com benefícios previdenciários cresceram 6,8% em termos reais, descontada a inflação, na comparação com o mesmo período de 2015.

A queda na arrecadação também contribuiu para o resultado negativo das contas públicas em novembro. Nos 11 primeiros meses de 2016, a receita líquida caiu 2,5% em termos reais, já descontada a inflação, na comparação com o mesmo período do ano anterior. Somente em novembro deste ano, o governo federal arrecadou R$ 500 milhões a menos do que novembro de 2015, queda de 7,2% em termos reais, isto é, descontados os efeitos da inflação no período.


leia também

Bancos elevam para R$ 104 bilhões estimativa do déficit primário - Sondagem do Ministério da Fazenda prevê que a dívida bruta deve passar de 74,3% do PIB neste ano

Barbosa teme impactos da mudança no cálculo de juros da dívida dos estados - Edson Fachin mediará reunião entre governadores e o ministro da Fazenda para embasar decisão final do STF

Câmara adia votação do projeto que socorre Estados - A análise da proposta ficou para a próxima segunda-feira

Câmara aprova renegociação das dívidas estaduais - No RS, governo extingue 8 fundações em pacote para reduzir o Estado

Cármen Lúcia debate crise financeira e guerra fiscal com governadores - Nova presidente do STF pediu para que os Estados busquem um acordo que acabe com a disputa tributária

Congresso aprova projeto que altera meta fiscal de 2016 - O texto autoriza o governo federal a fechar o ano com um déficit primário de até R$ 170,5 bilhões nas contas públicas

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: