Fiesc avalia que reformas condicionarão retomada da economia em 2017

Glauco Côrte reiterou o fato de que em nenhuma ocasião a iniciativa privada dependeu tanto do governo

Da Redação

redacao@amanha.com.br

Glauco Côrte reiterou o fato de que em nenhuma ocasião a iniciativa privada dependeu tanto do governo

Depois de um ano marcado por rupturas políticas que influenciaram diretamente no desempenho da economia brasileira, a Federação das Indústrias de Santa Catarina (Fiesc) avalia que as reformas são pré-condição para a retomada da economia em 2017. A maior parte dos indicadores do setor no ano acumulam resultados negativos, influenciados pelo agravamento da crise. De janeiro a outubro sobre igual período em 2015, as vendas diminuíram 10,8%, a produção industrial acumula queda até setembro de 4,2% e os estoques estão elevados para o período. 

“Talvez em nenhuma ocasião tenhamos vivido um período em que a iniciativa privada dependeu tanto do governo, do setor público. Não em termos de subsídios, de incentivos, mas em termos de reformas que conduzam a uma expectativa mais favorável, sobretudo, aos investimentos. A nossa conclusão é que o governo precisa, de fato, encaminhar propostas que reestabeleçam a confiança no setor público e em relação às condições de investimento tanto do setor doméstico quanto do externo”, afirmou o presidente da entidade, Glauco José Côrte (foto), durante encontro com jornalistas nesta quinta-feira (8). No tradicional evento, Côrte avaliou o ano para a indústria e fez projeções para 2017.

“O crescimento da economia catarinense é muito dependente do setor industrial. No Sul, diferentemente do que ocorre no Brasil, em que a indústria tem uma participação no PIB de menos de 20% [considerando a indústria de transformação, construção e serviços de utilidade pública], aqui representamos 30%. Ou seja, um terço da riqueza de Santa Catarina provém do setor industrial. Então, quando a indústria não vai bem, o Estado sente essa contração e tem mais dificuldade de crescer”, concluiu Côrte. Apesar dos dados negativos, a indústria de transformação catarinense mantém o posto de maior geradora de empregos do Brasil em números absolutos, com 5.146 contratações no acumulado do ano até outubro. 

As vendas industriais do Estado têm apresentado comportamento estável nos últimos meses, porém em patamares inferiores em relação a anos anteriores. De janeiro a outubro em comparação ao mesmo período no ano passado, os segmentos que mais apresentaram retração foram de produtos de metal (-28,5%), móveis (-23,3%), metalurgia (-14,7%), vestuário (-14,2%), informática, eletrônicos e óticos (-13,4%), máquinas e equipamentos (-9,5%) e plástico (-9,1%). 

As pesquisas que medem o índice de confiança do industrial catarinense e a intenção de investir caíram desde 2014, com o aprofundamento da recessão. Nos últimos meses, a intenção de investir reagiu, mas com menor intensidade. A confiança do industrial na economia alcançou 52,8 pontos em novembro, abaixo dos 53,1 registrados em outubro. O índice varia no intervalo de 0 a 100. Acima de 50 pontos indica confiança e abaixo, falta de confiança na economia. 


leia também

Dilma diz que sofreu segundo golpe de Estado na vida - Ex-presidente afirmou que recorrerá contra o que chamou de “fraude”

FMI: economia crescerá mais fortemente em 2017 - Lagarde fez previsões em artigo para o jornal alemão Handelsblatt

A balança da produção está mudando – de novo - Karen Reddington, CEO da FedEx Ásia Pacífico, avalia mapa global da indústria

A medida da importância - A publicidade devia se preocupar mais com o retorno para os anunciantes, e não para o país

A punição virá das gôndolas? - A tentativa de boicote às marcas do Grupo J&F

A responsabilidade do Congresso - O cuidado com os recursos públicos e o respeito à restrição orçamentária deveriam ser valores da casa, opina Zeina Latif

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: