Tempos difíceis exigem reações firmes e tempestivas

Opinião é de Zeina Latif, economista-chefe da XP Investimentos

Por Zeina Latif*

Zeina Latif, economista-chefe da XP Investimentos

Não é apenas fim de lua-de-mel. Parece inferno astral. Começou com a vitória de Donald Trump elevando o grau de incertezas no cenário internacional, com repercussões nos preços de ativos (bolsa, dólar, juros futuros). Em seguida a explosão da crise no Rio de Janeiro, com a reação do funcionalismo e resistência da Assembleia Legislativa às necessárias medidas estruturantes propostas pelo governo. Agora a crise política causada pelas denúncias do ex-ministro da Cultura. A lista de eventos perigosos segue, com destaque para delações da Lava Jato. Tudo isso em um contexto de fraqueza da economia e de um Congresso mais focado em questões de interesse próprio do que na urgente agenda econômica. 

A julgar pelo histórico recente, o governo do PMDB não parece gostar de abrir várias frentes de batalha ao mesmo tempo. No entanto, talvez não haja muita opção no momento. Avançar por etapas tem suas vantagens, pelo pragmatismo, mas há o risco de se perder a perspectiva de longo prazo. Adiar a agenda econômica envolve riscos elevados, pois contamina o ambiente econômico e pode também inviabilizá-la.

Postergar a reforma da previdência pode significar aprovar algo muito tímido, que não estabilize a dívida pública tão cedo, ou até não aprová-la. Quanto mais nos aproximarmos de 2018, ano de eleição, menos o Congresso estará disposto a discutir temas polêmicos. Vale citar que o trâmite de uma reforma da previdência tende a ser lento. A do primeiro mandato de Lula tomou 8 meses. Seria importante, portanto, se preparar o terreno para as discussões no Congresso, comunicando à sociedade o tamanho do problema e indicando as saídas possíveis.

A crise dos Estados aumenta o desafio governamental. Esse tema deveria ter sido discutido com mais zelo na renegociação da dívida ainda em julho. Um processo bem conduzido, com transparência quanto ao tamanho do rombo e suas causas, e estabelecendo contrapartidas rígidas poderia, eventualmente, ter evitado o quadro atual. De um lado, os governadores, em sua maioria, falharam ao negar o problema; de outro, faltou pulso do governo federal.

Ainda que a queda da arrecadação e da receita com royalties do petróleo seja concreta, impactando as contas dos Estados, é crucial reconhecer dois pontos principais: os Estados têm sua parcela de culpa na queda da arrecadação e o cenário é estruturalmente insustentável, independentemente da queda da receita.

A queda da arrecadação é fruto da crise fiscal – e não o contrário – ainda que esta seja realimentada. A irresponsabilidade fiscal de todos os entes da federação instabilizou o ambiente econômico e, assim, comprometeu a arrecadação tributária. Erros inaceitáveis foram cometidos. Muitos Estados utilizaram receitas extraordinárias, como royalties do petróleo e aumento do endividamento, para financiar gastos correntes – especialmente as despesas com servidores ativos e inativos. Para tanto, utilizou-se contabilidade criativa para burlar os limites para gastos com folha estabelecidos pela Lei de Responsabilidade Fiscal. Certamente as instituições falharam. Os Estados precisam, portanto, assumir responsabilidades, apoiando iniciativas de ajuste do governo federal e fazendo seu próprio ajuste. 

Ceder à pressão dos Estados por socorro não seria atitude sábia do governo federal. E Brasília parece compreender isso. Muitos governadores não têm assumido os erros e a necessidade de ajuste estrutural, com destaque para reforma da previdência. Se a União for condescendente, os governadores provavelmente vão se acomodar, empurrando o problema para o próximo, criando uma falsa ilusão na sociedade e agravando o problema. Que o diga a renegociação da dívida dos Estados.

Tempos difíceis exigem reações firmes e tempestivas – e a agenda econômica estrutural é importante instrumento de defesa. O governo precisa abrir o caminho para retomar o foco na agenda de reformas. Ela tem sido perigosamente desviada, o que pode agravar o quadro econômico atual pela contaminação sobre os preços de ativos. Esse fato pode dificultar o retorno da normalidade na economia, que seria conquistada com inflação e juros mais baixos, e assim a volta cíclica da atividade econômica. 

A fragilidade econômica não é neutra para o ambiente político, pois as crises econômica e política se retroalimentam. 

*Economista-chefe da XP Investimentos.


leia também

Afrísio Vieira Lima - Se é verdade que um homem só morre quando deixamos de falar dele, é lícito vaticinar que Afrísio vai varar o século

Crise de Geddel faz bolsa cair e dólar subir - Mercado começa a precificar aumento de instabilidade política

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: