Publicidade consome 40% dos dados da internet móvel

Entidades pedem um acordo para a diminuição de anúncios

Por Agência Brasil

Publicidade consome 40% dos dados da internet móvel

É crescente o número de brasileiros que usam a internet no telefone celular. Na na faixa etária que mais consome esse serviço, de 16 a 24 anos, o aumento foi de 26% entre 2013 e 2015. Chama atenção, entretanto, que 40% do pacote de serviços de dados é gasto com publicidade, aqueles anúncios automáticos que aparecem nos aplicativos sem a solicitação do cliente. A informação é do Sindicato Nacional das Empresas de Telefonia e de Serviços Móvel Celular e Pessoal (SindiTelebrasil). “Todo anúncio que recebemos sem solicitar está consumindo os dados da mesma forma. O consumidor tem de ficar atento, entender que ele não solicitou aquilo, mas está pagando”, declarou Eduardo Levy, presidente-executivo da Federação Brasileira de Telecomunicações (Febratel), explicando que existem ferramentas de bloqueios de anúncios para alguns celulares. 

A informação, segundo ele, é de conhecimento dos órgão reguladores e poderia haver um acordo para melhorar esse serviço para a população, com a diminuição ou bloqueio dos anúncios. Além de perder 40% do pacote de dados com publicidade, do valor total gasto com os serviços para o celular, cerca de 50% são impostos, taxas e contribuições, segundo Levy. Ele usou como exemplo o Estado de Rondônia, onde o consumidor paga 40,6% de tributos sobre telecomunicações. Então, se o cliente compra R$ 10 em créditos para o celular, R$ 4,07 são tributos; se ele usa a internet, do valor restante (R$ 5,93), R$ 2,37 é gasto com publicidade, sobrando R$ 3,56 para usar com serviços. A carga de tributos varia conforme o valor do ICMS de cada Estado.

O SindiTelebrasil apresentou nesta quarta-feira (16) o estudo “Desempenho Comparado de Preços de Celular”, feito pela consultoria Teleco em 18 países que concentram 55% da população mundial e apresentam alto grau de relevância para o mercado de telecomunicações. De acordo com a pesquisa, o Brasil tem a maior carga tributária entre os pesquisados e 43% da receita líquida das empresas na prestação de serviços de voz do celular, por exemplo, é gasto com tributos. O valor é quase o dobro do segundo colocado, a Argentina, onde as operadoras repassam para o governo 26% da sua receita.

Para Levy, se a carga tributária fosse menor, os preços seriam mais acessíveis para a população e as empresas poderiam investir mais no setor. “Temos ainda uma proporção muito grande de pessoas, são dezenas de milhões de brasileiros que precisam ainda acessar o celular com internet e é pra essa população que precisávamos pensar em reduzir a carga tributária”, cobrou, ressaltando ainda que as telecomunicações são ferramentas essenciais para a melhoria da produtividade de um país. O uso dos serviços, entretanto, continua crescente. Em setembro, foram registradas mais de 251 milhões de linhas de telefones móveis em operação no país, segundo dados da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel). 

Preços acessíveis
Apesar da carga tributária e do momento econômico do país, os preços dos serviços brasileiros continuam acessíveis para a população, segundo o SindiTelebrasil, e permanecem entre os mais baratos do mundo. Entre os países pesquisados, o minuto da ligação de celular no Brasil é o quinto mais barato, custando US$ 0,066. Sem os tributos, o preço do minuto cairia para US$ 0,046.

No caso dos serviços de internet, o preço da banda larga móvel pré-paga é de US$ 7,40, com tributos, o sétimo mais barato entre os países estudados. Para fazer a avaliação, foi considerada uma cesta de banda larga pré-paga com consumo de pelo menos 500 megabites. Na banda larga móvel pós-paga, o valor pago no Brasil é US$ 8,30, com tributos. Sem os impostos, o preço cai para US$ 5,10 no pré-pago e para US$ 5,80 no pós-pago.


leia também

A medida da importância - A publicidade devia se preocupar mais com o retorno para os anunciantes, e não para o país

América Latina: o pote de ouro da YellowPepper - A start-up do setor móvel pretende ganhar milhões de clientes na região

Aplicativo da Anatel registra problemas com celulares - Usuário relatará falhas da operadora contratada por ele

Brasil entra na rota de pesquisa do grafeno - Mineral poderá ser aplicado em produtos como smartphones

Celular se consolida como meio de acesso à internet - E-commerce foi a finalidade que mais cresceu entre 2015 e 2016

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: