Dólar fecha em alta pelo quarto pregão seguido

Moeda acumula alta de 8,6% desde a eleição de Trump

Da Redação

redacao@amanha.com.br

Dólar fecha em alta pelo quarto pregão seguido após eleição de Trump

O dólar fechou em alta pelo quarto pregão seguido nesta segunda-feira (14). No final do dia, a moeda norte-americana subiu 1,4%, vendida a R$ 3,4408 – maior cotação de fechamento desde 16 de junho (R$ 3,47). Na máxima do dia, o dólar bateu R$ 3,4752, um avanço de 2,4%. Desde a vitória de Donald Trump nos Estados Unidos, a alta acumulada chega a 8,6%. Com a forte reação no mercado de câmbio, o Banco Central voltou a atuar por meio de swaps cambiais tradicionais, equivalentes à venda futura de dólares. Neste pregão, vendeu 15 mil contratos para rolar os swaps que vencem em 1º de dezembro. Já a Bovespa operou volátil, alternando pequenas altas e baixas fechando com alta de 0,8%. 

A recente eleição de Trump levou algumas corretoras a projetarem novos cenários. A XP foi uma delas. “Nossa visão de médio e longo prazos, em relação ao Ibovespa permanece, com um cenário otimista, ainda mais com a PEC do Teto do Gasto e a Reforma da Previdência, ou seja, o andamento do processo de ajuste fiscal no Brasil. O que queremos passar é que dependemos muito mais do cenário interno do que do externo. Porém, o cenário externo, e nesse caso as incertezas geradas pela eleição de Donald Trump, fizeram com que realizássemos alterações na nossa visão do intervalo do Ibovespa para final de 2016 e do intervalo do dólar”, explicou a corretora em nota. No último relatório da XP, o intervalo para o Ibovespa era entre 65 mil e 68 mil pontos para este ano. Com a revisão, ele passou para um patamar entre 62 mil e 65 mil pontos. Já o dólar, o intervalo anterior era entre R$ 3 e R$ 3,10. Com a nova posição da XP, a cotação foi elevada para entre R$ 3,20 e R$ 3,30.


leia também

A briga dos EUA com a China beneficiará o Brasil? - Os dois países têm estratégias claras e mercados consumidores imensos

A China fez o que o mercado queria - Corte de juros era algo esperado, mas ainda não é suficiente para ajudar na recuperação econômica, afirmam especialistas

A punição virá das gôndolas? - A tentativa de boicote às marcas do Grupo J&F

A saída dos EUA da TPP pode ser vantajosa para a China - Decisão de Trump abre caminho para o gigante asiático dominar as maiores rotas comerciais do mundo

Ação da Braskem segue quebrando recordes - Alta do dólar e queda dos preços do petróleo beneficiam empresa

Ações da Petrobras fecham abaixo de R$ 5 pela primeira vez em 13 anos - O Ibovespa encerrou o dia no menor nível desde março de 2009, no auge da crise do crédito imobiliário nos EUA

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: