Da propaganda à produção de valor

Neste artigo, o publicitário João Satt conta como concebeu o G-5

Por João Satt*

João Satt, diretor-presidente da G5

Há 25 anos começamos a Competence com uma certeza na cabeça: só iríamos trabalhar para marcas líderes ou para quem desejasse ser líder. A inquietude, a objetividade e a exigência dos empreendedores que buscam a liderança sempre me fascinaram. 

Nessa trajetória acompanhamos grandes marcas conquistarem corações e mentes das pessoas: Panvel, Paquetá, Sicredi, Cassol, Shoppings Almeida Júnior, Tintas Renner, Todeschini, Bettanin, Hospital Mãe de Deus, Sesc, Senac, Unisinos, entre outras. Não demorou muito para que passássemos a ser vistos como uma agência de alta colaboração estratégica para os negócios dos clientes. Isto nos levou a criar a Sunbrand, uma empresa de consultoria focada em estratégia. Passamos a participar de reuniões com a direção das empresas com uma pauta não apenas sobre como comunicar, e sim o que produzir de valor para só então ser comunicado.

Foi justamente quando passamos a frequentar essas reuniões que começamos a perceber que havia um grande câncer na maior parte das empresas: a comoditização. Não seria entregando mais do mesmo que as empresas conseguiriam praticar preços e margens melhores. Ao contrário. Isto reforçava um consumidor cada vez mais oportunista, o que intensificava a disputa por preços e não por valor.  

Esse cenário foi nos provocando a agregar mais produtos à prateleira do Grupo Competence. Estava claro, no entanto, que aumentar o cardápio à disposição do mercado passava por ter uma atuação diferenciada dentro do mundo digital, assim como naquilo que consideramos o principal ativo de uma empresa: as pessoas. O nome Competence é sinônimo de propaganda estratégica criativa, mas diretamente associado apenas à publicidade, quando o que enxergamos para o presente é uma enorme busca por construção e comunicação de valor que vai além disso. Esse foi o motivo central para criarmos o G-5, sustentado por cinco pilares sobre os quais vamos desenvolver e orientar o crescimento das nossas novas entregas: inteligência, inovação, criatividade, engajamento e ativação.

O ponto de partida do G-5 é a construção de valor. O poder migrou das empresas para as pessoas. Seus universos afetivos, profissionais, culturais e de entretenimento são o grande alvo. Mais que consumidores, são comunidades de pessoas.

Tudo no G5 gira em torno de relações e intensidade. Qual o modelo de negócio que valida e reconhece a importância do engajamento dos funcionários e a interdependência dos fornecedores e do trade? Isso nos motivou a aprimorar a metodologia da Sunbrand e a criar a Stronger, uma empresa com foco em fortalecer relações da empresa, seus colaboradores e os diferentes stakeholdres da cadeia de valor.

O universo digital também foi o alvo de análise por muito tempo e concluímos que deveríamos atuar em três pontas: a F-Store (especializada em lojas digitais), a Comp (produtora) e a TWF (uma agência digital). Já a Competence seguirá na tarefa de ser uma agência de criação.

Hoje o G-5 é uma realidade. Cada empresa atua de forma independente e também integrada, de acordo com a necessidade de cada cliente. Mas apesar da mudança, nosso propósito continua o mesmo de 25 anos atrás: colaborar ativamente para a construção e manutenção de marcas líderes.

*Publicitário e presidente do G-5.


leia também

Grupo Competence passa a se chamar G5 - Nova operação passa a ter cinco pilares de atuação

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: