Cinco dicas para se aposentar sem depender da Previdência

Veja como se programar para ter uma boa renda e não depender do INSS

Por Infomoney

Cinco dicas para se aposentar sem depender da Previdência

Todos, ou pelo menos uma boa parte dos brasileiros, sabem que não dá para confiar única e exclusivamente na Previdência Social para garantir uma aposentadoria tranquila.

As reclamações mais comuns são atrasos nos pagamentos, excesso de burocracia e queda significativa em relação ao valor contribuído e o valor recebido.

 

Agora, o debate sobre o assunto se intensificou. Primeiramente, por conta da possibilidade de desaposentação – os segurados do INSS (Instituto Nacional de Seguridade Social) têm direito a pleitear um benefício mais vantajoso – e também por causa do recentemente anúncio do ministro da Previdência Social, Carlos Gabas.

 

O governo está estudando formas de alterar o sistema previdenciário no país. A atual proposta é de por fim ao fator previdenciário, que é um dos motivos que levam as aposentadorias a terem consideráveis quedas.

 

Até aí, é vantajoso para os contribuintes. Porém, também está sendo oferecida uma fórmula para retardar as aposentadorias, ou seja, para que o trabalhador trabalhe mais e contribua mais para aposentar. A fórmula proposta é de 85/95 como base de partida, na qual a soma da idade com o tempo de serviço deve dar 85 anos para mulheres e 95 para homens.

 

Para o educador financeiro, Reinaldo Domingos, a fórmula chega a ser interessante, pelo menos melhor do que o Fator Previdenciário vigente, mas, também trará maior dificuldade para se aposentar e mostra como é importante um planejamento que vá além do INSS sobre esse tema. “A aposentadoria pelo INSS possui grande importância, principalmente, para os trabalhadores menos abastados, pois estes, em sua grande maioria, não trabalharam preventivamente para o período de aposentadoria, o que faz com que esses ganhos sejam a única fonte de sobrevivência”, afirma.

 

Veja cinco dicas para quem quer fugir da dor de cabeça da Previdência Social:

 

1- Descubra com qual padrão de vida você quer se aposentar. Aposentadoria segura não significa ser milionário, é preciso encontrar um porcentual da renda que possa poupar. Se você deixar para poupar apenas a sobra, não vai conseguir;

 

2- Quanto mais cedo começar a poupar, mais agressiva pode ser a estratégia. Quem está na casa dos 20 anos pode formar uma reserva de emergência entre 6 e 12 meses de salário e, a partir daí, investir todo o resto do dinheiro nesse sonho. "Sempre lembro que, guardando R$ 300 por mês, em 30 anos, pode se ter cerca de R$ 1 milhão", lembra o educador;

 

3- Divida os objetivos e sonhos em três grupos de acordo com os prazos que pretende realizá-los, que são de curto, médio e longo prazo, e invista o dinheiro de acordo com esses objetivos;

 

4- Como a atratividade de cada tipo de investimento varia com o tempo, vale a pena o poupador rever a estratégia adotada a cada quatro ou seis meses. Além de eventuais mudanças na conjuntura econômica, também podem surgir boas oportunidades;

 

5- Para não ter sustos, o poupador deve acumular um capital que renda o dobro do que ele precisa. Vamos supor que você ganha um salário de R$ 4 mil e terá uma aposentadoria pública de R$ 2 mil. Se sua aposentadoria complementar lhe pagar apenas R$ 2 mil por mês, um dia o dinheiro vai acabar. Mas, se os investimentos renderem R$ 4 mil, você saca metade e deixa a outra metade rendendo. Assim, o dinheiro se recapitaliza e se preserva.

 

Segundo Domingos, o futuro do nosso sistema previdenciário é incerto e é óbvio que precisa ser repensado, pois o modelo vigente se mostra insustentável para o futuro. “O que temos claro é que o grande prejudicado com mudanças que ocorrerão serão os trabalhadores, que poderão ter que trabalhar mais, fazer redução dos ganhos ou mesmo ambos”, afirma. “Assim, a alternativa nesse momento é já se precaver, buscando inserir a educação financeira no cotidiano, na busca de um planejamento que projete uma aposentadoria sustentável sem depender do governo”, completa.

 

leia também

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: