Venda de títulos públicos bate recorde em agosto

O aplicador só tem de pagar uma taxa à corretora

Por Agência Brasil

Venda de títulos públicos bate recorde em agosto

A venda de títulos públicos a pessoas físicas somou R$ 1,5 bilhão em agosto, informou o Tesouro Nacional. O valor vendido por meio do programa Tesouro Direto é recorde para meses de agosto e o quarto melhor mês do ano. O recorde mensal de vendas ocorreu em janeiro deste ano: R$ 1,8 bilhão. O balanço foi divulgado com um mês de atraso por causa da greve do Tesouro, que paralisou parcialmente as atividades do órgão por mais de dois meses. Apenas em agosto, 44.910 participantes passaram a fazer parte do programa. Ao todo, o Tesouro Direto conta com 930.196 investidores cadastrados, alta de 68,4% nos últimos 12 meses.

Os títulos mais vendidos foram os corrigidos pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), que mede a inflação oficial. Esses papéis concentraram 59,4% das vendas em agosto. Em segundo lugar, vieram aqueles vinculados à taxa Selic (juros básicos da economia), que responderam por 27,1% da comercialização. Em terceiro, ficaram os títulos prefixados (com juros definidos antecipadamente), que responderam por 13,4% das operações. Os investimentos de menor valor continuaram a liderar a preferência dos aplicadores. As vendas abaixo de R$ 5 mil concentraram 73,2% do volume aplicado no mês.

Com o resultado de agosto, o estoque de títulos públicos aplicados no Tesouro Direto subiu 3,7% em relação a julho, alcançando R$ 35,4 bilhões. Isso ocorreu porque, em agosto, o Tesouro resgatou R$ 526,3 milhões. A variação do estoque representa a diferença entre as vendas e os resgates, mais o reconhecimento dos juros que incidem sobre os títulos.

O Tesouro Direto foi criado em janeiro de 2002 para popularizar esse tipo de aplicação e permitir que pessoas físicas possam adquirir títulos públicos diretamente do Tesouro, via internet, sem intermediação de agentes financeiros. O aplicador só tem de pagar uma taxa à corretora responsável pela custódia dos títulos. A venda de títulos é uma das formas que o governo tem de captar recursos para pagar dívidas e honrar compromissos. Em troca, o Tesouro Nacional se compromete a devolver o valor com um adicional que pode variar de acordo com a Selic, índices de inflação, câmbio ou uma taxa definida antecipadamente no caso dos papéis prefixados.

leia também

A crise invejável da Liderança Serviços - Crescimento da empresa será de “apenas” 8% neste ano

Ações da Marcopolo podem valorizar mais de 50% - Fabricante de ônibus faz parte da carteira da Planner

Balanço ruim da Bematech pode prejudicar papéis - Companhia paranaense teve queda de receita no segundo semestre

BD investirá R$ 105 milhões em fábrica no Sul - Multinacional construirá nova unidade em Curitiba

Brasil Foods investe US$ 16 milhões na Malásia - Companhia quer expandir presença no sudeste asiático

Brasil, um paraíso para os investidores, mas... - Falta de educação financeira faz com que poucos aproveitem

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: