Vale a pena trocar de função na mesma empresa?

Algumas companhias adotam uma política de rotação de funcionários

Por Bernt Entschev

Algumas companhias adotam uma política de rotação de funcionários

Toda pessoa que consegue um emprego entra na empresa cheia de expectativas para um trabalho novo. Sente-se feliz e animada. Com o tempo, se a atividade não corresponder ao esperado, a empolgação diminui e pode virar uma insatisfação crônica. Mas não é só isso. Afinal, toda empresa tem seus pontos fortes e fracos. Gestão, clima organizacional, política de resultados, chefia e colegas hostis, enfim, são diversos fatores que influenciam. Mudar de emprego pode não ser a solução , pois também existe a possibilidade de trocar de função dentro da mesma organização. 

A primeira questão a considerar é saber qual é o problema com seu emprego. Ele não é o que você esperava? Acha que poderia ser mais produtivo em outra função? Você não se adapta à equipe ou ao modelo de gestão? Suas motivações precisam estar muito claras para você mesmo. Só assim poderá escolher um caminho que realmente levará à satisfação. Se o problema não estiver na empresa, mas em você mesmo, mudar de setor não vai resolver nada. Se perceber que mudando de função o problema será solucionado, vá em frente. 

O segundo ponto relevante é conhecer a organização na qual você trabalha. Perceba como funcionam os outros setores, o que se espera dos funcionários e fique atento quando surgirem vagas na área que lhe interessa. Avalie se seu perfil é adequado para esse cargo. 

A seguir, é hora de conversar com seu gestor. O ideal é não pular cargos na hierarquia. Tenha um discurso muito bem fundamentado. Explique porque seria interessante uma mudança de função, o que atualmente o desagrada e no que você poderia contribuir com a empresa. Aponte soluções que possam facilitar a vida da sua liderança. As chances de conseguir sua transferência vão depender do perfil da chefia. Se for flexível e enxergar vantagens nessa mudança, sem causar um problema no seu atual setor, há uma boa possibilidade. 

Acontece também de a própria chefia propor uma mudança de cargo ou setor, seja por perceber o potencial do funcionário numa nova função, seja para solucionar o encaixe de outro colaborador. Nesse caso, a questão é: seria possível recusar?  Meu conselho: melhor não. Recusar essa mudança seria colocar o gestor em posição problemática, tanto em relação à solução que ele elaborou quanto ao colaborador que iria para sua posição. 

Além disso, algumas empresas adotam uma política de rotação de funcionários, de forma a que conheçam bem várias funções na empresa. É um jeito de preparar novas lideranças. Se for o caso, é um motivo a mais para não recusar a troca de função. 

Seja qual for a situação, é importante ter cautela.  Nenhuma decisão deve ser tomada de forma impulsiva. Converse com seus colegas, avalie as possibilidades e então faça seu plano de ação. 


leia também

Não há segredo nas Melhores Empresas para Trabalhar – SC - Blumenau receberá próximo evento de AMANHÃ e GPTW em agosto

A consagração de quem valoriza - Evento premiou as 40 Melhores Empresas para Trabalhar no RS

A empresa vai quebrar. E agora? - A resposta não é simples, pois envolve algumas questões muito subjetivas

A hora e a vez dos colaboradores - Pesquisa de AMANHÃ e GPTW em SC recebe inscrições até 5 de setembro

A necessidade de controlar a internet nas empresas - O mau uso pode causar até mesmo demissão por justa causa

As eternas vítimas no ambiente corporativo - Se você lidera alguém assim, fique atento para não comprometer a equipe

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: