Paraná é o segundo mais competitivo do país, destaca The Economist

Santa Catarina ficou em terceiro lugar enquanto o Rio Grande do Sul obteve a nona colocação

Da Redação

redacao@amanha.com.br

Pelo segundo ano consecutivo, o Paraná foi considerado o segundo Estado mais competitivo do País, de acordo com o ranking Competitividade dos Estados Brasileiros de 2015/2016, elaborado pela consultoria britânica Economist Intelligence Unit (EIU), divisão de análise do grupo The Economist, em parceria com o Centro de Liderança Pública (CLP) e a Tendências Consultoria. O ranking, divulgado nesta segunda-feira (19) em São Paulo em evento (foto) na sede da BM&FBovespa, contou com a presença dos governadores Beto Richa, do Paraná, e Raimundo Colombo, de Santa Catarina.  

O levantamento, que considera dados das 27 unidades da federação, estabelece uma pontuação de 0 a 100 e, quanto mais próximo de 100, melhor posicionado o Estado. Na pontuação total, o Paraná ficou com uma nota 76,9, atrás de São Paulo (88,9) e à frente de Santa Catarina (74,3), Distrito Federal (66,8) e Mato Grosso do Sul (65,1). O Rio Grande do Sul alcançou a nona posição com 55,5 pontos.  A média nacional ficou em 50,2. Neste ano, foi realizada pela primeira vez a entrega do Prêmio Excelência em Competitividade. O Amapá venceu na categoria Crescimento, e o Paraná na categoria Internacional. Na categoria Boas Práticas, foram destacados os estados do Ceará (com ações de educação básica), de São Paulo (diante de medidas para promoção da segurança pública) e do Espírito Santo (pela eficiência em gestão fiscal). 

A pontuação leva em conta um conjunto de 65 indicadores dentro de 10 pilares considerados essenciais para o bom ambiente de negócios: infraestrutura, sustentabilidade social, segurança pública, educação, capital humano, solidez fiscal, eficiência da máquina pública, sustentabilidade ambiental, potencial de mercado e inovação. 


leia também

As jabuticabas tributárias fazem o Brasil ser injusto - Opinião é de Rafael Nichele, novo presidente do IET

Brasil perde US$ 1 bilhão por ano com barreiras comerciais no exterior - Quando uma medida é aplicada contra um produto, as exportações do bem caem, em média, 86% nos 12 meses seguintes

Cade abre investigação contra Positivo Informática - Processo apura conduta anticompetitiva em licitações

Cresce importância da exportação para empresas - A valorização do dólar ante o real estimulou a indústria, revela CNI

Desafetos e desafios - Ambientes de excelência dificilmente prescindem de um elemento de competitividade que faz toda diferença

Exportação para almas poéticas - Sendo o Brasil um país de vocação autossuficiente, a ciência de operar por sobre as fronteiras é um desafio imenso

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: