Michel Temer pede união em pronunciamento

Presidente deixa mensagem ao país antes de ir para a China

Da Redação

redacao@amanha.com.br

O novo presidente da República, Michel Temer, fez na noite desta quarta-feira (31) seu primeiro pronunciamento em cadeia nacional de rádio e TV como chefe efetivo do Executivo federal. Temer gravou o pronunciamento no Palácio do Jaburu, residência oficial da Vice-Presidência, antes mesmo de tomar posse no Senado. Na fala que durou cinco minutos, Temer afirmou que o governo não terá como garantir o pagamento da aposentadoria sem que seja feita uma reforma na Previdência Social. "Para garantir o pagamento das aposentadorias, teremos que reformar a Previdência. Sem reforma, em poucos anos o governo não terá como pagar os aposentados. Nosso objetivo é garantir um sistema de aposentadorias pagas em dia, sem calotes e sem truques. Um sistema que proteja os idosos, sem punir os mais jovens", destacou. 

Temer também afirmou que está assumindo o cargo após decisão "democrática e transparente" do Congresso, referindo-se ao impeachment votado pelo Senado. De acordo com ele, o momento é de "esperança e de retomada da confiança no Brasil". O novo presidente reiterou ainda que a "incerteza chegou ao fim" e que é hora de unir o país e colocar os interesses nacionais acima dos "interesses grupos". 

"Tenho consciência do tamanho e do peso da responsabilidade que carrego nos ombros. E digo isso porque recebemos o país mergulhado em uma grave crise econômica", disse Temer. O novo presidente declarou, ainda, que pretende "resgatar a força da economia e recolocar o Brasil nos trilhos". O governo terá, segundo ele, seis alicerces: eficiência administrativa, retomada do crescimento econômico, geração de emprego, segurança jurídica, ampliação dos programas sociais e a pacificação do país. 

Leia a íntegra do pronunciamento de Temer ao final desta reportagem. 

Primeira reunião
Em sua primeira reunião após tomar posse como presidente da República, Michel Temer pediu empenho dos ministros em formular medidas contra o desemprego. Para Temer, a geração de postos de trabalho deve ser a primeira preocupação do governo. “Há um certo amargor das pessoas, e isso nós vimos nas ruas, exata e precisamente em função do desemprego. Ora bem, no instante em que nós e a nossa política começar a gerar emprego isso vai tirando o amargor”, declarou Temer. Em sua fala inicial aos ministros, o presidente disse aos auxiliares que uma nova fase do governo é inaugurada, com um horizonte de dois anos e quatro meses. Durante esse período, pontuou, todas as áreas deverão trabalhar para colocar o Brasil nos trilhos.

“Não basta que o presidente da República centralize as decisões e determine qual seja a forma de execução. Importa, sim, que os senhores tenham capacidade, como têm [e] já demonstraram isso, de conduzir as suas pastas com vistas a exatamente a esse critério, que daqui a dois anos e quatro meses nós possamos sair daqui com o aplauso do povo brasileiro”, afirmou.

Uma das ações determinadas pelo presidente é a criação de um grupo de desburocratização para simplificar os processos em cada ministério. Outra determinação foi que cada ministro atue junto às bancadas e aos seus respectivos partidos para falar da importância das propostas do governo, como o teto para os gastos públicos e a reforma da Previdência. “Nós temos que insistir junto às bancadas – e eu o farei pessoalmente –, para que nós possamos ter a aprovação dessas matérias, pelo menos o teto, ainda neste ano”, anunciou. 

Transmissão de cargo
Temer transmitiu simbolicamente o cargo ao presidente da Câmara, deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ), antes de embarcar em viagem ao exterior. Maia exercerá interinamente a Presidência até a próxima semana enquanto Temer estiver em viagem à China para participar de uma reunião com investidores chineses, de encontros bilaterais e da Cúpula de Líderes do G-20 (grupo formado pelas 20 maiores economias do planeta). O presidente da Câmara, primeiro na linha sucessória com a chegada de Temer à Presidência, tem dito que adotará posição de absoluta discrição enquanto estiver no Palácio do Planalto exercendo o cargo de forma interina.

Íntegra do pronunciamento de Temer em cadeia de rádio e TV
“Boa noite a todos! Assumo a Presidência do Brasil, após decisão democrática e transparente do Congresso Nacional. O momento é de esperança e de retomada da confiança no Brasil. A incerteza chegou ao fim. É hora de unir o país e colocar os interesses nacionais acima dos interesses de grupos. Esta é a nossa bandeira. Tenho consciência do tamanho e do peso da responsabilidade que carrego nos ombros. E digo isso porque recebemos o país mergulhado em uma grave crise econômica: são quase 12 milhões de desempregados e mais de 170 bilhões de déficit nas contas públicas.

Meu compromisso é o de resgatar a força da nossa economia e recolocar o Brasil nos trilhos. Sob essa crença, destaco os alicerces de nosso governo: eficiência administrativa, retomada do crescimento econômico, geração de emprego, segurança jurídica, ampliação dos programas sociais e a pacificação do país.

O governo é como a sua família. Se estiver endividada, precisa diminuir despesas para pagar as dívidas. Por isso, uma de nossas primeiras providências foi impor limite para os gastos públicos. Encaminhamos ao Congresso uma proposta de emenda constitucional com teto para as despesas públicas. Nosso lema é gastar apenas o dinheiro que se arrecada. Reduzimos o número de ministérios. Demos fim a milhares de cargos de confiança. Estamos diminuindo os gastos do governo.

Para garantir o pagamento das aposentadorias, teremos que reformar a Previdência Social. Sem reforma, em poucos anos o governo não terá como pagar aos aposentados. Nosso objetivo é garantir um sistema de aposentadorias pagas em dia, sem calotes e sem truques. Um sistema que proteja os idosos, sem punir os mais jovens. O caminho que temos pela frente é desafiador. Conforta-nos saber que o pior já passou. Indicadores da economia sinalizam o resgate da confiança no país. Nossa missão é mostrar a empresários e investidores de todo o mundo nossa disposição para proporcionar bons negócios que vão trazer empregos ao brasil. Temos que garantir aos investidores estabilidade política e segurança jurídica.

Temos que modernizar a legislação trabalhista, para garantir os atuais e gerar novos empregos. O Estado brasileiro precisa ser ágil. Precisa apoiar o trabalhador, o empreendedor e o produtor rural. Temos de adotar medidas que melhorem a qualidade dos serviços públicos e agilizem sua estrutura. Já ampliamos os programas sociais. Aumentamos o valor do Bolsa Família. O Minha Casa Minha Vida foi revitalizado. Ainda na área de habitação, dobramos o valor do financiamento para a classe média. Decidimos concluir mais de 1500 obras federais que encontramos inacabadas. O Brasil é um país extraordinário. Possuímos recursos naturais em abundância.

Um agronegócio exuberante que não conhece crises. Trabalhamos muito. Somos pessoas dispostas a acordar cedo e dormir tarde em busca de nosso sonho. Temos espírito empreendedor, dos microempresários aos grandes industriais.

Agora mesmo, demos ao mundo uma demonstração de nossa capacidade de fazer bem feito. Os Jogos Olímpicos resgataram nossa autoestima diante do mundo. Bilhões de pessoas, ao redor do planeta, testemunharam e aplaudiram nossa organização e entusiasmo com o que o Brasil promoveu: o maior e mais importante evento esportivo da terra. E teremos daqui a pouco as Paralimpíadas que certamente terão o mesmo sucesso. Presente e futuro nos desafiam. Não podemos olhar para frente, com os olhos do passado.

Meu único interesse, e que encaro como questão de honra, é entregar ao meu sucessor um país reconciliado, pacificado e em ritmo de crescimento. Um país que dá orgulho aos seus cidadãos. Reitero meu compromisso de dialogar democraticamente com todos os setores da sociedade brasileira. Respeitarei também a independência entre os poderes Executivo, Legislativo e Judiciário. Despeço-me lembrando que ordem e progresso sempre caminham juntos. E com a certeza de que juntos, vamos fazer um Brasil muito melhor. Podem acreditar: Quando o Brasil quer, o Brasil muda. Obrigado, boa noite a todos, e que Deus nos abençoe nessa nossa caminhada.”


leia também

Dilma diz que sofreu segundo golpe de Estado na vida - Ex-presidente afirmou que recorrerá contra o que chamou de “fraude”

A China fez o que o mercado queria - Corte de juros era algo esperado, mas ainda não é suficiente para ajudar na recuperação econômica, afirmam especialistas

A estabilidade do funcionalismo público é mesmo necessária? - O tema é particularmente importante no contexto de ajuste fiscal, avalia Zeina Latif

A punição virá das gôndolas? - A tentativa de boicote às marcas do Grupo J&F

A responsabilidade do Congresso - O cuidado com os recursos públicos e o respeito à restrição orçamentária deveriam ser valores da casa, opina Zeina Latif

A superfície e as profundezas da economia - Retomada poderá ser difícil dada a situação financeira empresarial

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: