CCJ do Senado aprova PEC do comércio eletrônico

Todo o imposto ficará com o Estado de destino da mercadoria a partir de 2019

Por Agência Brasil

CCJ do Senado aprova PEC do comércio eletrônico

A Comissão de Constituição e Justiça do Senado aprovou, por unanimidade, a repartição entre Estados de origem e de destino da arrecadação do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) cobrado sobre produtos e serviços vendidos pela Internet e por telefone  (PEC 7/15). Pela regra atual,  todo o recolhimento do ICMS fica com os Estados de origem das lojas do e-commerce. No parecer, o relator da proposta, senador Eunício Oliveira (PMDB-CE), observou que a nova realidade do comércio eletrônico no país "trouxe benefícios para o cidadão comum, mas também muitas distorções no equilíbrio econômico entre as unidades federadas".

Segundo ele, a maioria das lojas virtuais está sediada em poucos Estados, geralmente nos mais ricos e desenvolvidos, o que garante a eles a retenção de toda a arrecadação do tributo. Para Eunício, a fórmula atual permite a manutenção da "anomalia". Esta é a segunda vez que a matéria é analisada pelo Senado. Para evitar o que chamou de pingue-pongue, o relator sugeriu que o texto seja aprovado com as mudanças recomendadas pelos deputados em fevereiro. Pelo texto aprovado na Câmara, o imposto correspondente à diferença entre alíquota interna e interestadual será dividido entre Estados de origem e de destino.

A proporção, de acordo com a proposta, será 20% para o Estado de destino e 80% para o de origem em 2015; 40% para o destino e 60% para a origem em 2016; 60% para o destino e 40% para a origem em 2017;  e 80% para o destino e 20% para a origem em 2018. A grande mudança ocorrerá a partir de 2019, quando todo o imposto ficará com o Estado de destino da mercadoria. Durante a votação, vários senadores defenderam a proposta, que, segundo o senador José Pimentel (PT-CE), também tem apoio dos 27 secretários estaduais de Fazenda. Para o senador Blairo Maggi (PR-MT), a proposta torna mais justa a distribuição da arrecadação do imposto nessa modalidade de comércio. Marta Suplicy (PT-SP) reconheceu que, apesar de São Paulo perder com a nova regra, trata-se de um rearranjo para a modernidade. Segundo ela, São Paulo tem grandeza e apoia a proposta. O senador Antonio Anastasia (PSDB-MG) considerou  a aprovação da proposta um passo simbólico para o início da reforma tributária.



leia também

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: