Receita da Aurora no exterior avança 36% até junho

Cooperativa reforça exportação por causa da retração no Brasil

Por Dirceu Chirivino

dirceu@amanha.com.br

A Cooperativa Central Aurora Alimentos exportou no primeiro semestre um volume de carnes de aves e suínos de 166.134 toneladas. A operação gerou R$ 1,1 bilhão de receita, um resultado 36,7% superior ao alcançado no mesmo período em 2015. A cooperativa de Chapecó (SC) afirma que reforçou o foco nas vendas externas devido à retração do mercado interno. A China foi a grande surpresa, pois, devido a situação interna de produção, atuou como importante importador de carne suína no primeiro semestre. A expectativa é de que mantenha esse comportamento no segundo semestre. O setor também aguarda a abertura de Coréia do Sul e México, como resultado de intensas  tratativas diplomáticas e governamentais.

A variação cambial que favoreceu as exportações no ano passado,  em 2016 prejudicou os negócios com o exterior, com a queda de mais de 20% do dólar em relação ao real. Diante desse cenário, as margens de lucro resultaram pequenas.  Como estratégia para corrigir a desigualdade entre oferta e demanda, a cooperativa deu férias coletivas aos funcionários da unidade de Abelardo Luz (SC) e promoverá a redução dos abates de frango na planta de Guatambú (SC).  Com isso, a cooperativa pretende diminuir em 7% a oferta de aves, e assim alcançar o equilíbrio entre produção e o consumo. “Como terceira empresa brasileira de exportação de carne suína e de aves, a Aurora também busca se adequar à realidade de mercado, aguardando que os custos de produção retornem a sua média histórica e o cenário econômico tenha melhoras efetivas, injetando ânimo, credibilidade emprego e renda para todos,” expõe Mário Lanznaster, presidente da cooperativa. 


leia também

A Coopercentral Aurora colhe frutos no exterior - A exportação fará a cooperativa obter alta de 15% nas vendas no ano

ABDI: crise argentina deixa Brasil sob alerta - Setor automotivo deve sofrer maior impacto

Acordo comercial entre EUA e México pode afetar Brasil - AEB prevê mais prejuízo para o setor automotivo

Acordos comerciais fortalecem exportação catarinense - A indústria de cerâmica é uma das primeiras beneficiadas

AEB prevê superávit comercial de US$ 46,9 bi para 2016 - Apesar da ampliação, exportações renderão menos este ano

Ano do Galo: hora de encarar o dragão chinês - Não há mais como o Brasil, a futura quinta maior economia mundial, deixar de levar a maior economia a sério

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: