GTFoods, do Paraná, pede recuperação judicial

Altos custos da produção do frango motivaram decisão

Da Redação

redacao@amanha.com.br

O grupo GT Foods, produtor de frangos do Paraná, pediu recuperação judicial. Em nota publicada na última quarta-feira (10), a empresa justificou a medida em virtude do aumento dos custos de produção, em especial do preço da soja e do milho, commodities utilizadas na alimentação das aves. A diminuição do consumo nacional também, segundo a companhia, foi determinante para a decisão.

Com sede em Maringá, a GT Foods é uma das dez maiores exportadoras de frango do país. Possui cerca de 11 mil funcionários com 26 unidades industriais distribuídas por dez cidades do Paraná. No comunicado, a dona das marcas Canção e Gold Frango garante que tem condições de honrar com os compromissos assumidos e que o pedido recuperação judicial irá auxiliar na manutenção dos colaboradores, produtores e parcerias atuais. “(...) a recuperação judicial é uma medida que visa auxiliar a preservação da companhia, a sua função social e o estímulo à atividade econômica”, declarou a GT Foods.

O valor da dívida não é especificado pela companhia. Segundo o jornal Gazeta do Povo, do Paraná, fontes afirmam que o grupo GT Foods tem empréstimos de mais de R$ 300 milhões em instituições financeiras, entre elas o Banco Regional do Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE). O valor contratado com a instituição de fomento da região Sul seria de R$ 30 milhões. Uma maior parcela, cerca de R$ 100 milhões, teria sido negociada com o Banco Nacional do Desenvolvimento (BNDES). Outros R$ 200 milhões teriam sido emprestados por grandes bancos.



leia também

A China rural não existe mais - A mudança do modelo de crescimento econômico continuará elevando as demandas do país mais populoso do mundo

A recuperação judicial sob o viés do investidor - Palestra em Porto Alegre nesta sexta-feira (16) tem inscrições gratuitas

A transformação digital da agricultura - Tecnologia pode melhorar rendimento de produtores

Atuação em rede que produz melhores resultados - Para Luiz Vicente Suzin, presidente da Ocesc, a intercooperação dá independência ao sistema cooperativista

BNDES abre linha de crédito para empresas em recuperação - O programa terá orçamento de R$ 5 bilhões e validade até 2017

BNDES entra em campo para ajudar empresas em crise - Para o advogado Luis Gustavo Schmitz, iniciativa preserva empregos

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: