CEOs do Paraná avaliam como prioritária relação com EUA

Setor educacional é o que mais atrai, revela pesquisa da Amcham-Curitiba

Por Marcos Graciani

graciani@amanha.com.br

A aproximação comercial com os Estados Unidos é questão prioritária na agenda dos principais executivos do Paraná. É o que revela uma pesquisa da Câmara Americana de Comércio (Amcham-Curitiba) que o portal AMANHÃ teve acesso exclusivo.  Na ocasião, 55 presidentes e diretores de empresas do Estado se reuniram com o cônsul-geral norte-americano, Ricardo Zuniga, para debater a relação entre Brasil e Estados Unidos. Quatro em cada cinco entrevistados (82%) avaliam como prioritária a intensificação das relações entre os dois países. Ainda sobre a aproximação, 76% consideraram a flexibilização nos acordos comerciais o principal tema a ser tratado pelo próximo governo norte-americano. 

No encontro, Zuniga afirmou que o Brasil é peça-chave na aproximação dos Estados Unidos com os países das Américas. "Temos vários pontos em comum, como um forte estado democrático e presença marcante de diferentes grupos de imigração, e isso facilita muito o diálogo e o avanço na relação bilateral", afirmou. Em contrapartida, a indefinição das eleições presidenciais nos Estados Unidos não deve afetar os negócios. Para 65% dos empresários, a disputa não trouxe impacto nas perspectivas de investimentos.

A pesquisa constatou também que o estreitamento de laços com os Estados Unidos vai além das relações comerciais. Metade dos entrevistados afirmou que a prioridade é o intercâmbio comercial, mas outros segmentos também atraem os empresários paranaenses, como os setores educacional (44%), tecnológico (29%) e regulatório (26%). Segundo Zuniga, os setores que possibilitam uma maior convergência entre os Estados Unidos e o Brasil são o da tecnologia, saúde, infraestrutura, energia e agronegócio.


leia também

A briga dos EUA com a China beneficiará o Brasil? - Os dois países têm estratégias claras e mercados consumidores imensos

A Parceria Transpacífico cumprirá o que promete? - Há dúvidas sobre o impacto da TPP na criação de empregos

Colosso acorrentado - Se a própria China reconhece no TPP um recado de alerta a suas pretensões hegemônicas, o que não dizer de nós?

Exportações devem ter queda de 15% este ano - Os dados da balança comercial foram revisados pela AEB

Le Pen pode ser um risco muito maior do que o mercado prevê - Este é um dos alertas do relatório da XP Investimentos que analisa o cenário internacional de 2017

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: