Indústria de SC diminui investimentos para 2016

Setor projeta aporte de R$ 1,6 bi, valor 28% menor ao realizado ano passado

Da Redação

redacao@amanha.com.br

A indústria catarinense planeja investir R$ 2,7 bilhões entre 2016 e 2018. É o que revela s a publicação Panorama e Perspectivas dos Investimentos da Indústria Catarinense 2015 a 2018, lançada nesta sexta-feira (22) pela Federação das Indústrias de Santa Catarina (Fiesc), com o apoio do Bando Regional do Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE). A pesquisa ouviu 110 empresas do estado entre os meses de fevereiro e abril de 2016.

Para este ano, indústria tende a ser mais comedida nos investimentos na comparação com 2015. O valor previsto é de R$ 1,6 bilhão, quantia 28% menor da direcionada no ano anterior. Entre as razões, a velha combinação que tem provocado a incerteza do setor: juros altos, inflação, queda do consumo interno e indefinição político-econômica. Mesmo assim, o aporte deve gerar 2,7 mil empregos. Os segmentos que projetam maiores investimentos são os de máquinas, aparelhos e materiais elétricos (R$ 599 milhões), produtos alimentícios (R$ 469 milhões) e celulose e papel (R$ 213 milhões). Até 2018, a perspectiva é que seis mil postos de trabalho sejam abertos, sendo quatro mil em Santa Catarina.

Segundo o estudo da Fiesc, a conjuntura econômica nacional tem afetado também o perfil dos investimentos. Enquanto na pesquisa que contemplava os anos de 2015 a 2017 63% das indústrias pretendia adquirir máquinas e equipamentos, na atual o percentual passou para 48%. Houve reduções também na intenção de realizar aportes na atualização tecnológica (de 54% para 39%) e para ampliar a capacidade produtiva (de 51% para 28%).

Apesar do valor projetado ser o menor desde 2011, quando foram realizado R$ 1,7 bilhão de investimentos, Glauco José Côrte, presidente da Fiesc, acredita que a pesquisa demonstra que, na opinião dos industriais, a pior fase da economia já passou.  “Nos últimos dois meses a situação não piorou em relação aos meses anteriores. A demanda está baixa, mas o índice de confiança na economia tem melhorado mês a mês. A tendência é de melhora substancial e de retorno gradativo dos investimentos”, avaliou Côrte. Porém, ele mesmo alerta que, para que isso aconteça, são necessárias a definição da situação política e o encaminhamento de medidas na área econômica e de estímulo ao investimento.

Os investimentos de 2015

Somente no ano passado, a indústria catarinense fez investimentos de R$ 2,1 bilhões. O valor ficou dentro do previsto para 43% das indústrias, enquanto 35% delas não realizaram a totalidade dos investimentos planejados para o ano. Ainda assim, o percentual do faturamento dedicado aos aportes (5,3%) foi menor do que o registrado em 2014 (6,1%). 

A produção e as vendas do setor caíram 7,9% e 12%, respectivamente,  na relação com o ano anterior. Para as empresas, o fator que mais impactou o desempenho foi o menor consumo interno e os custos das matérias-primas.



leia também

A balança da produção está mudando – de novo - Karen Reddington, CEO da FedEx Ásia Pacífico, avalia mapa global da indústria

A Cetip é a ação de dividendos mais indicada para compra - Cinco corretoras recomendam o papel da empresa do setor financeiro

Ações da Petrobras fecham abaixo de R$ 5 pela primeira vez em 13 anos - O Ibovespa encerrou o dia no menor nível desde março de 2009, no auge da crise do crédito imobiliário nos EUA

Acordos comerciais fortalecem exportação catarinense - A indústria de cerâmica é uma das primeiras beneficiadas

Agora é hora de comprar ações de mineradoras - Morgan Stanley também aposta em papéis de mercados emergentes

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: