Temer recebe Rodrigo Maia no Palácio do Planalto

Novo presidente afirmou que Câmara terá de votar pautas impopulares

Por Agência Brasil

O presidente interino Michel Temer recebeu nesta quarta-feira (14),por meia hora, no Palácio do Planalto, o novo presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ). Maia (foto) foi eleito no início da madrugada desta quinta-feira com 285 votos e comandará a Casa até fevereiro do ano que vem, completando o mandato de Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que foi afastado das funções legislativas pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

Pouco antes da reunião, Temer fez um breve pronunciamento sobre o resultado da eleição para a presidência da Câmara. “Fiquei felicíssimo com a conduta cívica da Câmara dos Deputados. Eu acompanhei com muito cuidado, com muito interesse o que lá acontecia e verifiquei uma coisa curiosa. Temos pregado muito a pacificação do país, a harmonia entre todos os brasileiros e entre os poderes do Estado. Ontem, o que assistimos nos vários discursos, porque eram muitos os candidatos, era a pregação de uma harmonia interna, de uma distensão”, afirmou. Na avaliação do presidente interino, o Brasil está se “distensionando” após a eleição na Câmara. “É até interessante: no último ato, quando se deu o segundo turno, os dois candidatos [Maia e Rogério Rosso, do PSD do Distrito Federal], antes mesmo da eleição, se abraçaram para revelar a distensão indispensável para os bons trabalhos legislativos. Naquele momento, eu senti que o Brasil está se distensionando”, declarou Temer.

Alinhado com o discurso de Temer, Maia declarou que a Câmara terá de debater e votar pautas consideradas impopulares. “Os deputados são eleitos não apenas para aumentar despesas e serem aplaudidos. Estamos aqui também para votar aquilo que seja impopular. Pode ser impopular agora, mas temos que olhar para frente”, afirmou. Citando a crise econômica que atinge o país e o conturbado momento político pelo qual passa o Congresso, o deputado afirmou que as repúblicas "nunca se consolidam sem a força dos parlamentos". “Quando a Câmara é atacada ou mal defendida, é a cada um dos nossos mandatos que atacam”, disse Maia. “Sei que estou pronto para navegar nessa tormenta, que passará. A Câmara, o Congresso e o Brasil são maiores que qualquer crise”, finalizou. Maia também disse que sua vitória só foi possível graças ao apoio dos partidos de oposição ao governo de Temer. 

Trajetória política
Formado em economia, Maia é deputado federal pelo Rio de Janeiro há cinco legislaturas. Foi eleito para o primeiro mandato em 1998. Tentou se eleger prefeito do Rio em 2012, tendo Clarissa Garotinho (PR-RJ) como vice. Maia também ocupou o cargo de secretário de Governo do Rio de Janeiro (1997-1998) e de secretário de Governo do Município do Rio de Janeiro (1996). Antes de chegar ao Democratas (DEM), o parlamentar foi filiado ao PFL e ao PTB. Maia assumiu a presidência nacional do DEM, partido que ajudou a criar, em 2007. Filho do ex-prefeito do Rio de Janeiro Cesar Maia (DEM), Rodrigo Maia integra um bloco informal dos chamados governistas independentes. Além do DEM, compõem o grupo o PSDB, o PSB e o PPS.


leia também

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: