Sobre Papas e gurus

Francisco recorre à gestão para dar um jeito no Vaticano

Por André D´Angelo

Para além de seu carisma e das posições progressistas em temas delicados para a Igreja Católica, é possível que o Papa Francisco fique na história por outro legado, mais discreto e incomum: a arrumação de uma enorme e complexa casa chamada Vaticano. Segundo a imprensa, Jorge Mario Bergoglio contratou três multinacionais de consultoria para examinar com lupa as finanças da Igreja, bem como trouxe profissionais de mercado para ocupar posições gerenciais, em substituição a religiosos amadores. Com essas medidas, reconhece indiretamente que, embora os objetivos de uma instituição religiosa difiram dos de uma empresa, seu apropriado funcionamento depende da mais preciosa tecnologia criada pelo Homem, a gestão.  

Gurus da administração bateriam palmas para o Sumo Pontífice. Peter Drucker, o mais conhecido deles, afirmava que “gerenciamento não é gerenciamento de negócios”, necessariamente, e sim um instrumento capaz de tornar o trabalho mais organizado e produtivo. Ainda que a mesma imprensa destaque que Francisco simpatiza com a ideia de uma Igreja capaz de transformar o sistema capitalista, e não somente integrar-se a ele para realizar boas ações, bem sabe o Papa que tal intento não será conseguido sem um mínimo de estrutura, ordem e processo, fundamentos da administração. 

Os aplausos possivelmente não viessem apenas de Drucker, falecido em 2005. Henry Mintzberg, o melhor dos atuais gurus do management – justamente por, entre outras coisas, rejeitar o rótulo de guru e censurar os modismos que a atividade volta e meia patrocina –, lembraria que administrar e liderar são coisas diferentes. Sua Santidade reúne habilidades extraordinárias no segundo quesito, daquelas raras em um mesmo sujeito – empatia, crença verdadeira nos princípios que prega, boa comunicação -, mas possivelmente não detenha os melhores predicados no primeiro, o que justifica a delegação de tarefas a leigos remunerados. Como o próprio Mintzberg afirma, a liderança é conquistada, não ungida; Bento XVI era um respeitado teólogo, mas jamais produziu sobre os fiéis o arrebatamento de Francisco. Desperdiçar tamanha capacidade de aglutinação de um rebanho em crescente dispersão e desinteresse em prol de uma presença maior nos gabinetes seria um crime de lesa-instituição. A máquina burocrática precisa funcionar independentemente de quem ocupe o trono de Pedro.

O brasileiro Vicente Falconi, responsável pela transformação de inúmeras indústrias locais em potências mundiais, certamente renderia suas homenagens ao Papa, também. Nos últimos anos, o consultor tem se esmerado em levar ao setor público princípios de administração semelhantes àqueles implementados nas companhias privadas. Quando questionado se as ferramentas de um setor seriam apropriadas a outro, Falconi costuma ser direto: sim, basta “colocar o objetivo certo: não é dar lucro, é servir”. E contar com indicadores de desempenho, para monitorar se os esforços empreendidos estão sendo corretos e bem-sucedidos. 

A despeito de tantas aprovações virtuais, esse modesto colunista, que está longe de ser guru de qualquer coisa, arrisca um conselho ao Papa e roga-lhe um pouco mais de condescendência com o recém-empossado presidente argentino, Mauricio Macri, a quem Sua Santidade destinou meros 22 minutos de poucos sorrisos e mesuras em uma audiência no último mês de fevereiro. Francisco, comentou-se à época, não simpatiza com as ideias liberais de Macri, alinhando-se mais ao assistencialismo de viés peronista. Foge ao conhecimento do Papa, pelo visto, que assim como a gestão impôs-se como o método mais apropriado para coordenar esforços em vista de um objetivo, o livre mercado mostrou-se, por semelhante processo de “seleção natural”, o mais adequado sistema econômico para criar riqueza e distribuí-la. Seria promissor que o mesmo pragmatismo demonstrado pelo Sumo Pontífice na administração do Vaticano fosse aplicado ao terreno das ideologias, permitindo que a sua Argentina, enfim, deixe para trás as trevas políticas e econômicas que ele tão bem conheceu.


leia também

A recuperação judicial sob o viés do investidor - Palestra em Porto Alegre nesta sexta-feira (16) tem inscrições gratuitas

A responsabilidade da gestão é ainda maior na saúde - Para Pizzato, da Unimed POA, zika é reflexo de falta de planejamento

A superação de crise das empresas requer uma equipe - Para Telmo Schoeler, o grupo deve elaborar plano de ações corretivas

A vez da inteligência na cadeia de suprimentos - A rentabilidade pode até aumentar – mesmo em tempos de crise

As inúmeras vantagens do “preço dinâmico” - Um estudo mostra que tarifas variáveis beneficiam o consumidor

As micromultinacionais e como elas definirão nossa era - Como as empresas pequenas entram em mercados globais

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: