Poupança registra pior semestre desde 1995

Aplicação tem registrado retirada expressiva de recursos

Por Agência Brasil

Os saques na poupança superaram os depósitos em R$ 42,6 bilhões no primeiro semestre deste ano. A retirada líquida (descontados depósitos) supera o resultado também negativo registrado no primeiro semestre de 2015, quando ficou em R$ 38,5 bilhões, informou o Banco Central (BC). Esse é o pior resultado para o primeiro semestre registrado na série histórica, iniciada em 1995.

Em junho, a retirada líquida ficou em R$ 3,7 bilhões. Os saques da poupança somaram R$ 164,9 bilhões em junho e R$ 984,4 bilhões no primeiro semestre, superando os depósitos, que alcançaram R$ 161,2 bilhões e R$ 941,8 bilhões, respectivamente. O saldo total nas contas chegou a R$ 638,2 bilhões em junho. O rendimento creditado nas contas dos investidores atingiu R$ 4 bilhões no mês passado.

A poupança tem registrado retirada expressiva de recursos. Desde janeiro do ano passado, o único mês em que foi registrado resultado positivo (mais depósitos do que saques) foi em dezembro de 2015 (R$ 4,7 bilhões). Com os juros altos, outras aplicações estão atraindo os investidores. Além disso, a poupança perdeu rentabilidade ante a inflação. A recessão econômica também contribuiu para a fuga de recursos da poupança. Por causa da crise e do desemprego, os brasileiros têm menos sobra de dinheiro para aplicar na caderneta e precisam sacar mais recursos para pagar dívidas.


leia também

Dilma diz que sofreu segundo golpe de Estado na vida - Ex-presidente afirmou que recorrerá contra o que chamou de “fraude”

A China fez o que o mercado queria - Corte de juros era algo esperado, mas ainda não é suficiente para ajudar na recuperação econômica, afirmam especialistas

A estabilidade do funcionalismo público é mesmo necessária? - O tema é particularmente importante no contexto de ajuste fiscal, avalia Zeina Latif

A punição virá das gôndolas? - A tentativa de boicote às marcas do Grupo J&F

A responsabilidade do Congresso - O cuidado com os recursos públicos e o respeito à restrição orçamentária deveriam ser valores da casa, opina Zeina Latif

A superfície e as profundezas da economia - Retomada poderá ser difícil dada a situação financeira empresarial

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: