Afinal, o que a Petrobras pode colocar à venda?

Para o Credit Suisse, há pelo menos mais nove opções além da Braskem

Por Infomoney

Afinal, o que a Petrobras pode colocar à venda?

Na última segunda-feira (13), uma notícia movimentou os mercados e impulsionou fortemente as ações da Petrobras (PETR3;PETR4). De acordo com fontes da Agência Estado Broadcast, a Petrobras está avaliando vender a participação que detém na Braskem (BRKM5) – controlada em conjunto com a Odebrecht (veja mais detalhes aqui). Essa operação faz parte do plano de desinvestimentos da companhia, estimado por volta de US$ 13,7 bilhões. A Braskem (BRKM5) tem valor de mercado de cerca de R$ 7,9 bilhões, e a Petrobras detém 36,13% do capital total (47% do capital votante). Com a venda integral da participação, o valor poderia atingir a quantia de R$ 2,8 bilhões a R$ 3,6 bilhões. Em comunicado ao mercado, a petroleira informou que seu plano de desinvestimento abrange unidades dos segmentos de Exploração & Produção, Abastecimento e Gás & Energia, mas que a lista para a venda pode sofrer alterações dependo das condições de mercado. Contudo, além da Braskem, ainda há outras opções de subsidiárias para a Petrobras fazer caixa. Por isso, o Credit Suisse elaborou uma lista do que pode ser vendido pela companhia.  Entre os exemplos, está a BR Distribuidora (foto), a Gaspetro e a Transpetro, companhias em que a estatal tem 100% do capital. Entre outras empresas, estão a PBLOG, PBIO, Liquigas, Citepe, Suape e a Sete Brasil. Dentre diversas subsidiárias, os analistas André Sobreira e Vinicius Canheu destacaram quais são as subsidiárias da estatal mais relevantes para desinvestimentos. Confira abaixo:

1 – BR Distribuidora (participação de 100% da Petrobras). É o braço de distribuição de combustíveis da Petrobras e a maior distribuidora de combustíveis do país, com uma cota de mercado de 30% no varejo e 55% de participação de distribuição por grosso de mercado. A BR Distribuidora tem um valor contábil de R$ 11 bilhões e um Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciações e amortizações) de R$ 3,1 bilhões em 2013. Os competidores principais são Ipiranga (que pertence à Ultrapar) e a Raízen (uma joint venture entre a Cosan e a Shell) com 20% de participação cada uma.

2 – Gaspetro (participação de 100% da Petrobras). A subsidiária da Petrobras dedicada à produção, comercialização, importação, exportação, armazenamento, transporte e distribuição de gás natural, gasolina, GLP, gases raros, fertilizantes e seus produtos correlatos. Debaixo do "guarda-chuva" da Gaspetro, existem 19 empresas de distribuição de gás, seis companhias de transporte de gás, quatro empresas de energia e uma empresa de logística de gás natural. A Gaspetro tem um valor contábil de R$ 11 bilhões e Ebitda de R$ 6,5 bilhões em 2013.

3 – Transpetro (participação de 100% da Petrobras). A Transpetro opera 7.517 quilômetros de dutos de petróleo, outros 7.107 quilômetros de gasodutos, 21 terminais terrestres, 28 terminais de navegação e uma frota de 53 navios-tanque. A empresa também tem um processamento capacidade de 19,7 milhões de metros cúbicos de gás natural e 4,5 milhões de metros cúbicos de condensado de gás natural. A Transpetro tinha valor contábil de R$ 4,8 bilhões e Ebitda de R$ 1,6 bilhão em 2013.

4 – Petrobras Logística de Exploração - PLOG (participação de 100% da Petrobras). A companhia realiza atividades de refino e processamento, mas desde 2012 começou a se concentrar em serviços de logística para os segmentos de Exploração e Produção. A empresa tem um valor contábil estimado de R$ 3,3 bilhões.

5 – CITEPE – Cia. Integrada Têxtil de Pernambuco (participação de 100% da Petrobras). A  CITEPE é uma subsidiária integral da Petrobras, que produz e comercializa filamentos contínuos de fios de poliéster (POY) e tereftalato de polietileno (PET) e os seus produtos relacionados. A fábrica da CITEPE está localizado no complexo industrial de Ipojuca (PE), e foi construída por causa do ciclo de investimentos iniciado pela Petrobras na região, com a criação da Petroquímica de Suape. A companhia vale cerca de R$ 3,04 bilhões.

6 – Petroquímica de Suape (participação de 100% da Petrobras). A Petroquímica de Suape é uma sociedade anônima de capital fechado, subsidiária integral da Petrobras, contratada para produção, distribuição e comercialização de ácido tereftálico e produtos relacionados. A fábrica da Petroquímica Suape também situada no complexo industrial de Ipojuca (PE), onde a principal vantagem é a proximidade do local para o Porto de Suape e da refinaria de Abreu e Lima, facilitando o acesso a matérias-primas e que permite a otimização de logística, bem como várias vantagens fiscais. O valor contábil da companhia é de R$ 1,5 bilhão.

7 – Petrobras Biocombustíveis - PBIO (participação de 100% da Petrobras). A PBIO é uma subsidiária integral da Petrobras envolvida na produção de etanol e biodiesel, assim como os produtos e atividades correlatas. A PBIO e suas empresas parceiras têm capacidade de produção de biodiesel de 821 mil metros cúbicos por ano. A PBIO possui três plantas, embora seja parceiro com BSBIOS em outras duas unidades. Nos negócios de etanol, parceiros da PBio como Bambuí, Guarani e Nova Fronteira para operar plantas em Brasil e Moçambique levam a uma capacidade total de produção de 1,5 milhões de metros cúbicos por ano.

8 – Liquigás (participação de 100% da Petrobras). A Liquigás Distribuidora S/A (Liquigás) é uma sociedade anônima totalmente detida pela Petrobras, envolvida na manipulação, armazenagem, engarrafamento, transporte, distribuição e comercialização de subprodutos de refinaria de petróleo, especialmente GLP. Em 2013, a Liquigás vendeu 1,662 milhão de toneladas de GLP, o que representa uma cota de 22,7% do mercado. A companhia vale aproximadamente R$ 859 milhões.

9 – Sete Brasil Participações (9,4% de participação da Petrobras). A Sete Brasil foi criada como uma solução para a demanda da Petrobras em meio a um grande número de unidades de perfuração no país, com alto conteúdo local para o desenvolvimento do pré-sal. A empresa é detida em 95% pela FIP Sondas (em que a Petrobras tem uma fatia de 4,59%) e 5% diretamente pela Petrobras. O valor contábil é de R$ 2,96 bilhões.

10 – E a Braskem... (participação de 36%). A Braskem é uma empresa de capital aberto listada publicamente no Brasil (BM&FBovespa), Nova Iorque (NYSE) e Madri (Latibex). É a maior produtora de resinas termoplásticas nas Américas, com base na capacidade de produção de suas 29 fábricas no Brasil, cinco plantas nos Estados Unidos e duas fábricas na Alemanha. Todos os anos, a empresa produz mais de 16 milhões de toneladas de produtos petroquímicos e produtos químicos intermediários. Além disso, a joint venture entre Braskem (75%) e Idesa (25%), prevista para começar neste ano com atraso, no México, vai acrescentar mais 750 mil toneladas de polietileno de alta densidade e 300 mil toneladas de polietileno de baixa densidade de capacidade.


leia também

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: