Dólar sobe e Ibovespa cai em meio ao Brexit

Resultado do referendo trouxe insegurança aos mercados financeiros

Por Agência Brasil*

Após abrir o dia em forte alta, a moeda norte-americana desacelerou ao longo da sessão e fechou com valorização de 1,05%. O dólar comercial encerrou esta sexta-feira (24) vendido a R$ 3,38. Na quinta-feira (23), a divisa tinha fechado em R$ 3,345 e atingido o menor nível em 11 meses. O dólar começou o dia vendido a R$ 3,43, depois da divulgação dos resultados do referendo em que foi decidida a saída do Reino Unido da União Europeia (UE). Nas horas seguintes, no entanto, a alta diminuiu. Na mínima do dia, por volta das 11h10, a moeda chegou a ser vendida a R$ 3,353. A divisa acumula queda de 6,4% em junho e de 14,4% em 2016.

Enquanto o dólar subiu, o euro e a libra tiveram fortes quedas, influenciados pela movimentação que tomou conta dos mercados globais depois da confirmação da vitória dos partidários do Brexit – como se chama o movimento que defende a retirada do país da UE. O euro caiu 1,7% e fechou em R$ 3,747. A libra esterlina, moeda do Reino Unido, teve retração de 7,9%, fechando a R$ 4,609. Na quinta, a moeda britânica tinha fechado a R$ 5,008.

Na bolsa de valores, o dia foi de pessimismo, dominado por investidores que tiveram de se desfazer de ações no Brasil para cobrir prejuízos no exterior. O índice Ibovespa, da Bolsa de Valores de São Paulo, encerrou o dia com queda de 2,8%, aos 50.105 pontos. No início da manhã, no entanto, a queda chegou a 5%. Ontem, o indicador tinha subido 2,8% e registrado a maior alta em 45 dias. As ações da Petrobras, as mais negociadas, caíram. Os papéis ordinários, com direito a voto em assembleia de acionistas, despencaram 5,1%, para R$ 11,43. As ações preferenciais, com preferência na distribuição de dividendos, caíram 4,3%, para R$ 9,25.

Tensão global
Após a notícia da vitória do Brexit, as bolsas de valores de todo o mundo apresentaram fortes quedas e geraram muita insegurança nos mercados financeiros. A Bolsa de Milão teve sua maior queda na história, superando a quebra do banco Lehman Brothers (2008) e o ataque terrorista às Torres Gêmeas, em 2001. O índice FTSE-Mib fechou com retração de 12,4%, em 15.723 pontos, o que representou perda de cerca de 61 bilhões de euros. A Bolsa de Madri despencou 12,3% e também registrou a maior queda da história. No epicentro do caso, a Bolsa de Londres caiu de 3,2%; a de Frankfurt, 6,8%; e a de Paris, 8%. O índice de Lisboa retraiu 6,9%.

Além dos pregões europeus, as bolsas asiáticas também tiveram fortes quedas, especialmente no Japão, onde a perda foi de 7,9%. China (-1,3%), Hong Kong (-2,9%) e Austrália (-3,1%) acompanharam as quedas. Nos Estados Unidos, os mercados também acumularam perdas: o índice Dow Jones fechou em queda de 3,3%, o pior desde 2011, e a Nasdaq, de quase 4%.

No mercado de câmbio, na Europa, a libra esterlina apresentou sua maior queda desde 1985, despencando para 1,3228 perante o dólar.

*Com informações da Agência Ansa.



leia também

A China fez o que o mercado queria - Corte de juros era algo esperado, mas ainda não é suficiente para ajudar na recuperação econômica, afirmam especialistas

A crise no terceiro parceiro comercial do Sul - Casa Rosada anuncia pacote econômico. Indústria brasileira começa a evitar vendas a prazo na Argentina

A fratura celta - Se a Europa não for condescendente, movimentos separatistas poderão eclodir em vários países

A punição virá das gôndolas? - A tentativa de boicote às marcas do Grupo J&F

Ação da Braskem segue quebrando recordes - Alta do dólar e queda dos preços do petróleo beneficiam empresa

Ações da Petrobras fecham abaixo de R$ 5 pela primeira vez em 13 anos - O Ibovespa encerrou o dia no menor nível desde março de 2009, no auge da crise do crédito imobiliário nos EUA

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: