União cogita aceitar ativos de Estados na renegociação das dívidas

Ministro interino do Planejamento, Dyogo Oliveira, afirmou que cada caso terá tratamento individual

Da Redação

redacao@amanha.com.br

Há disposição do governo federal em aceitar ativos dos Estados na renegociação das dívidas. Cada privatização será tratada de forma individual. A posição foi informada por Dyogo Oliveira (foto), ministro interino do Planejamento nesta quarta-feira (22). “Não há determinação do governo federal sobre que empresa ou não será privatizada nos Estados como forma de redução do estoque da dívida”, destacou Oliveira.

O ministro também confirmou que deverá ser apresentado, em 15 dias, ao presidente interino Michel Temer, um conjunto de propostas direcionadas à retomada da atividade econômica. “Serão propostas que não tragam encargos fiscais elevados ao Estado. Elas terão cunho mais regulatório e estabilizadoras”, revelou. De acordo com Oliveira, as providências se enquadram dentro do cenário de estabilidade fiscal, como a Proposta de Emenda Constitucional (PEC) que limita os gastos públicos. Oliveira ressaltou ainda a importância da inclusão dos Estados na PEC que limita os gastos públicos, o que foi acertado no âmbito da renegociação das dívidas dos Estados com a União.


leia também

Bancos elevam para R$ 104 bilhões estimativa do déficit primário - Sondagem do Ministério da Fazenda prevê que a dívida bruta deve passar de 74,3% do PIB neste ano

Barbosa teme impactos da mudança no cálculo de juros da dívida dos estados - Edson Fachin mediará reunião entre governadores e o ministro da Fazenda para embasar decisão final do STF

Câmara adia votação do projeto que socorre Estados - A análise da proposta ficou para a próxima segunda-feira

Câmara aprova renegociação das dívidas estaduais - No RS, governo extingue 8 fundações em pacote para reduzir o Estado

Cármen Lúcia debate crise financeira e guerra fiscal com governadores - Nova presidente do STF pediu para que os Estados busquem um acordo que acabe com a disputa tributária

Congresso aprova projeto que altera meta fiscal de 2016 - O texto autoriza o governo federal a fechar o ano com um déficit primário de até R$ 170,5 bilhões nas contas públicas

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: