Oi entra com pedido de recuperação judicial

No Sul, operadora tem cerca de 12 milhões de clientes

Da Redação, com Agência Brasil

redacao@amanha.com.br

A companhia de telefonia Oi entrou na segunda-feira (20) na 7ª Vara Empresarial do Tribunal de Justiça do Rio com um pedido de recuperação judicial da empresa, incluindo no processo um total em dívidas de R$ 65, 4 bilhões.  No fato relevante comunicado aos acionistas e ao mercado, a empresa informou que ajuizou, em conjunto com suas subsidiárias integrais, diretas e indiretas, "o pedido de recuperação judicial na Comarca da Capital do Estado do Rio de Janeiro, nos termos dos artigos da Lei das Sociedades Anônimas (LSA), em caráter de urgência, conforme aprovado pelo Conselho de Administração da companhia e nos órgãos societários competentes das demais Empresas Oi, em reuniões realizadas nesta data".

No comunicado, a empresa afirmou que, segundo anúncio prévio, a Oi vinha empreendendo esforços e estudos, em conjunto com seus assessores financeiros e legais, para otimizar sua liquidez e perfil de endividamento. No Sul, a Oi conta com cerca de 12 milhões de clientes na telefonia fixa, móvel, banda larga e TV por assinatura. A operadora também conta com cobertura 4G em 21 cidades da região: Porto Alegre, Caxias do Sul, Canoas, Gravataí, Novo Hamburgo, Pelotas, Santa Maria, São Leopoldo, Viamão (RS), Florianópolis, Blumenau,  São José, Joinville (SC), Curitiba, Cascavel, Colombo, Foz do Iguaçu, Londrina, Maringá, Ponta Grossa e São José dos Pinhais (PR).  

Compromissos
"A companhia, em conjunto com seus assessores legais e financeiros, também conduzia negociações com seus credores financeiros e com a Moelis & Company, na qualidade de assessor financeiro de um grupo de titulares de bonds (títulos de dívida), com vistas a uma reestruturação consensual de dívidas das empresas Oi com o objetivo de fortalecer sua estrutura de capital", acrescentou o comunicado.

Na nota, a empresa informou ainda que, "considerando os desafios decorrentes da situação econômico-financeira das empresas Oi, à luz do cronograma de vencimento de suas dívidas financeiras, ameaças ao caixa da empresa representadas por iminentes penhoras ou bloqueios em processos judiciais, e tendo em vista a urgência na adoção de medidas de proteção das empresas Oi, a companhia julgou que a apresentação do pedido de recuperação judicial seria a medida mais adequada neste momento".

De acordo com a operadora, a iniciativa teve por objetivo “preservar a continuidade da oferta de serviços de qualidade a seus clientes, dentro das regras e compromissos assumidos com a Anatel, preservar o valor das empresas Oi, manter a continuidade de seu negócio e sua função social, de forma a proteger de forma organizada os interesses das empresas Oi e de suas subsidiárias, de seus clientes, de seus acionistas e demais stakeholders, além de proteger o caixa da empresas”.
No documento, a Oi esclareceu que o pedido de recuperação foi ajuizado em razão dos obstáculos enfrentados pela administração da companhia para encontrar uma alternativa viável junto aos credores que possibilitasse à empresa atingir os objetivos mencionados acima, e para viabilizar a proteção adequada das empresas Oi contra credores, preservando a continuidade das atividades empresariais das empresas Oi.

“O total dos créditos com pessoas não controladas pela Oi listados nos documentos protocolados com o pedido de recuperação judicial soma, nesta data, aproximadamente R$ 65,4 bilhões. A administração das empresas Oi pretende tomar as providências e adotar os atos necessários à efetivação do pedido de recuperação, em todas as jurisdições nas quais tais medidas sejam necessárias”.

A companhia afirmou que manterá acionistas e o mercado informados sobre o desenvolvimento dos assuntos e divulgará oportunamente, na forma da legislação e regulamentação vigentes, demais informações relativas ao processamento do pedido de recuperação judicial. O Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro confirmou que o pedido de recuperação da Oi foi distribuído hoje para a 7a. Vara Empresarial da Comarca da Capital. Fazem parte da companhia as empresas Oi Móvel, Telemar Norte Leste, Copart 4 Participações, Copart 5 Participações, Portugal Telecom International Finance BV e Oi Brasil Holdings Coöperatief U.A.

Com a recuperação judicial, as empresas em dificuldade financeira tentam reestruturar a dívida com credores. Sancionada em 9 de fevereiro de 2005, a Lei 11.101 regulamentou a recuperação judicial, a extrajudicial e a falência do empresário e da sociedade.

Bolsa
A BM&FBovespa anunciou que retirará as ações ordinárias (ON) e as preferenciais (PN) da Oi de todos os índices de ações dos quais os papéis fazem parte atualmente. De acordo com o comunicado, ao fim do pregão desta terça-feira (21), a bolsa realizará um procedimento especial de negociação para determinação do preço de retirada dos papéis dos índices de ações. Após o encerramento do pregão regular, as carteiras teóricas dos índices serão rebalanceadas, com exclusão das ONs e PNs da Oi. Por isso, na abertura do pregão regular de quarta-feira (22), as carteiras teóricas dos índices terão nova composição e os papéis da operadora não farão mais parte delas. 


leia também

A recuperação judicial sob o viés do investidor - Palestra em Porto Alegre nesta sexta-feira (16) tem inscrições gratuitas

BNDES abre linha de crédito para empresas em recuperação - O programa terá orçamento de R$ 5 bilhões e validade até 2017

BNDES entra em campo para ajudar empresas em crise - Para o advogado Luis Gustavo Schmitz, iniciativa preserva empregos

Crise da Oi não afeta clientes no momento - Credores e acionistas podem chegar a um acordo sobre a dívida

Crise é aliada da Oi para ganhar corpo no segmento corporativo - Companhia quer crescer com soluções que ajudem empresas a reduzir custos

Desse jeito, a lei não será capaz de recuperar empresa alguma - Maciel Titto questiona tratamento diferenciado a fisco e bancos

comentarios




Vladimir

Isto já era esperado. Não é nehuma surpresa devido à ausência de boas práticas de governança que levaram a operadora a ter má gestão estampada no péssimo atendimento aos clientes. Infelizmente, isso não é previlégio dessa empresa, pois muitas PMEs estão no mesmo barco. Basta checar o alto número de pedidos de recuperação judicial,

Comentar

Adicione um comentário: