A morte e as mortes de PC Farias

Ele prometera entregar nomes à CPI das empreiteiras, mas faleceu antes

Por Daniel Medeiros*

Primeira morte: PC Farias foi assassinado pela amante, Suzana.

Segunda morte: Não foi assim. Ambos foram assassinados.

Terceira morte: o cenário do crime foi montado de maneira a corroborar a tese de assassinato seguido de suicídio. Ninguém sabe quem mexeu no quarto. Havia quatro seguranças – ex-policiais – na casa.

Quarta morte: Com os corpos ainda quentes sobre a cama, sem nenhuma perícia ainda sequer iniciada, o secretário da Justiça, Rubens Quintela, e o delegado Cícero Torres informavam para a imprensa que se tratava de crime passional.

Quinta morte: a autópsia do corpo foi feita com uma faca de cozinha; as mãos de Suzana foram lavadas com água mineral, cheia de elementos químicos capazes de alterar os exames para encontrar pólvora. Nenhum dos seguranças fez exame igual.

Sexta morte: Não havia nenhuma digital no revólver. Teria Suzana atirado contra o próprio peito e limpado a arma antes de morrer?

Sétima morte: Para que a trajetória das balas tivesse relação adequada, Suzana deveria estar voando quando disparou contra PC Faria.

Oitava morte: exames nas vísceras de Suzana mostraram que ela morreu de três a cinco horas depois de PC.

Nona morte: três dos quatro seguranças são levados a júri popular 17 anos depois do assassinado. São absolvidos, embora o júri afirmasse ter ocorrido homicídio.

Décima  morte: PC Farias prometera entregar nomes e fatos à CPI das empreiteiras, naquela semana. Faleceu antes. Os empreiteiros respiraram aliviados. Havia muito trabalho a fazer com os novos presidentes e seus tesoureiros...

*Doutor em Educação pela UFPR e professor de História do Brasil no Curso Positivo.


leia também

PF deflagra operação no RS com base na Lava-Jato - Repasse de entidades para empresas somou cerca de R$ 30 milhões

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: