Indústria não reconhece China como economia de mercado

Incentivos configuram vantagem irregular, defende CNI

Por Agência Brasil

A maior parte das indústrias brasileiras é contra o reconhecimento da China como economia de mercado, afirmou José Augusto Fernandes, diretor de Politicas e Estratégia da Confederação Nacional da Indústria (CNI). “Nesse momento, a maioria da indústria no Brasil é favorável ao não reconhecimento. Existem, no entanto, setores que têm uma posição contrária”, ressaltou Fernandes durante encontro da Câmara de Comércio Internacional.

A China foi aceita como membro da Organização Mundial do Comércio (OMC) em 2001. Na época foi estabelecido um prazo até dezembro de 2016 para que o país adotasse regras internacionais para poder ser reconhecido como uma economia de mercado. Segundo a OMC, cada país deverá decidir se a China será tratada como economia aberta, o que dificulta a aplicação de medidas antidumping. “Esse é um tema que está na agenda, não apenas do Brasil, mas de vários outros países. Nós tivemos uma reunião há 15 dias, na França, com as organizações empresariais do G20, e esse tema também foi colocado”, acrescentou Fernandes. Para ele, o Brasil deverá observar o posicionamento de outras nações antes de fechar uma posição. “Essa decisão que o Brasil vai tomar não será isolada, ele vai observar o que os outros países estarão adotando”, enfatizou.

Apesar dos avanços da China em áreas como relações trabalhistas e meio ambiente, Fernandes acredita que os incentivos governamentais a alguns setores da economia ainda representam uma vantagem competitiva irregular pelas regras do comércio internacional. “É importante perceber que a China mudou muito nos últimos 20, 30 anos. Os salários da região de Xangai são muito próximos dos que são pagos no Brasil. Há mudanças importantes. A questão, que tem relação com o antidumping, que é o principal tema do reconhecimento da economia de mercado, não tem relação com a legislação trabalhista, nem a questão dos custos salariais ou ambientais, e mais dos subsídios governamentais às empresas”, reclamou Fernandes.  

A China é o principal parceiro comercial do Brasil. No ano passado, as empresas chinesas venderam US$ 35,6 bilhões em produtos para o Brasil, enquanto as companhias brasileiras faturaram US$ 30, 7 bilhões com os chineses.


leia também

Economia brasileira crescerá este ano 0,3% - Banco Mundial ressalta que o país deve sair “lentamente” da recessão

15 anos da China na OMC - Poderá o Brasil enfrentar o seu maior parceiro comercial?

A briga dos EUA com a China beneficiará o Brasil? - Os dois países têm estratégias claras e mercados consumidores imensos

A China atenuará o pânico em torno de sua economia? - Preocupação é se o país manterá crescimento abaixo de dois dígitos

A China é economia de mercado, quer queiramos ou não - Não podemos imaginar que ganharemos algo confrontando a maior economia do mundo com argumentos frágeis

A China fez o que o mercado queria - Corte de juros era algo esperado, mas ainda não é suficiente para ajudar na recuperação econômica, afirmam especialistas

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: