CPFL Energia anuncia aquisição da AES Sul

Acordo, de R$ 1,6 bi, fará com que o grupo amplie fatia na distribuição

Da Redação

redacao@amanha.com.br

A CPFL Energia, maior grupo privado do setor elétrico brasileiro, anunciou nesta quinta-feira (16) acordo com o grupo americano The AES Corporation para a aquisição da AES Sul. O Grupo pagará à AES Corp. o valor de R$ 1,4 bilhão pela totalidade das ações da AES Sul, que será acrescido de um montante de R$ 295,4 milhões referente a um aumento de capital realizado pela AES Corp. na concessionária gaúcha, totalizando R$ 1,6 bilhão. A transação também está sujeita a ajustes de capital de giro e dívida líquida em até 45 dias do fechamento do negócio. 

“O acordo para a compra da AES Sul está em linha com a nossa estratégia de crescer no setor de distribuição, capturando ganhos de escala para as nossas operações e criando valor para os nossos stakeholders”, afirma Wilson Ferreira Junior, presidente da CPFL Energia. A conclusão do negócio depende de aprovação prévia da Aneel, do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), dentre outros, incluindo credores da AES Sul. 

A AES Sul atua em 118 cidades das regiões Metropolitana de Porto Alegre e Centro-Oeste do Rio Grande do Sul, fornecendo energia para 1,3 milhão de clientes, com consumo de 8,8 mil GWh ao final de 2015. Os clientes residenciais e comerciais representam aproximadamente 44% do volume. A sua área de concessão é contígua à da RGE, distribuidora do Grupo CPFL no Estado. 

Com a operação, a CPFL Energia amplia sua presença no segmento de distribuição de energia no Brasil, consolidando a sua posição de liderança neste mercado. Hoje, o grupo detém market share de 13% do mercado nacional de distribuição, fornecendo energia para 7,8 milhões de consumidores em 571 municípios nos Estados de São Paulo, Rio Grande do Sul, Paraná e Minas Gerais por meio de oito concessionárias. Com a compra da AES Sul, o seu market share neste mercado alcançará 14,3%.

Após a conclusão do negócio, a CPFL Energia será responsável por fornecer energia para 382 dos 497 munícipios do Rio Grande do Sul, consolidando a sua posição de parceiro para o desenvolvimento socioeconômico do Estado. Essa parceria já vem desde 2001, com a construção das hidrelétricas Foz do Chapecó, Barra Grande e as do Complexo Ceran e, mais recentemente, com a implementação de parques eólicos da CPFL Renováveis. 

A compra da AES Sul marca a quarta aquisição do Grupo no setor de distribuição nos últimos 10 anos. Anteriormente, a companhia havia comprado a própria RGE (2006), a CPFL Santa Cruz (2006) e a CPFL Jaguariúna (2007), essas duas últimas localizadas no interior de São Paulo.

CEEE
Em coletiva logo após o anúncio da aquisição, Ferreira Junior declarou que outras aquisições estão no radar da companhia. Uma delas pode ser a estatal gaúcha CEEE.  “Faria muito sentido para nós no futuro fazer essa aquisição, reunificar as concessões do Rio Grande do Sul, poder compartilhar as boas práticas. Não temos nenhum preconceito contra isso”, declarou. “O Rio Grande do Sul vendeu concessões com enorme ágio, pôde utilizar os recursos para equilibrar as finanças”, recordou, pois as concessões da RGE e da AES Sul foram privatizadas pelo governo gaúcho em 1997. 

Outra companhia interessada em uma incorporação ou fusão com a CEEE é a paranaense Copel. Em entrevista concedida para AMANHÃ, em dezembro, o presidente Luiz Fernando Vianna revelou a vontade da estatal de energia do Paraná em adquirir ativos da CEEE. “A CEEE é uma empresa que tem um grupo de consumidores bastante interessante. A companhia tem as suas dificuldades – que são conhecidas do setor elétrico. Temos certeza que o governo do Rio Grande do Sul conseguirá renovar a concessão. Mas, se o governo gaúcho colocar a concessão à venda, vamos analisar [a compra], pois estamos abertos a todas as possibilidades”, garantiu.


leia também

A gigante da energia paranaense - Como a Copel usou a engenharia para vencer os limites estaduais

Antonio Guetter é o novo presidente da Copel - Funcionário de carreira, executivo dirigia a Copel Distribuição

CEEE-D terá concessão renovada por 30 anos - Empresa terá de atingir níveis de eficiência

Copel cria empresa de comercialização de energia - Meta é aumentar atuação no mercado livre

Copel lucra R$ 1,1 bilhão até junho - No semestre, a receita somou R$ 6,7 bilhões

Copel mantém hidrelétrica Parigot em leilão - Estatal paranaense ofereceu R$ 575 milhões

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: