Participação de renováveis na matriz energética do Brasil chega a 41,2%

A energia hidráulica proporciona indicadores de emissões de CO2 bem menores do que a média mundial

Por Agência Brasil

A participação das energias renováveis na matriz energética brasileira passou de 39,4% em 2014 para 41,2% no ano passado. O etanol e o bagaço de cana tiveram a maior participação entre as renováveis, com 41,1%, seguidos da energia gerada por hidrelétricas (27,5%), lenha e carvão vegetal (19,9%), biodiesel (2,5%) e eólica (1,5%). Os dados estão na Resenha Energética Brasileira de 2016, divulgada nesta segunda-feira (6) pelo Ministério de Minas e Energia.

O indicador brasileiro é superior ao dos países desenvolvidos, que têm 9,4% de renováveis. “A expressiva participação da energia hidráulica e o uso representativo da biomassa na matriz energética brasileira proporcionam indicadores de emissões de CO2 bem menores do que a média mundial e dos países desenvolvidos”, revela o estudo. Entre as fontes usadas especificamente para gerar energia elétrica, 75,5% são renováveis. No Brasil, as emissões de CO2 recuaram 4,6% em 2015, em razão da queda de 7,2% no consumo de derivados de petróleo. Entre as fontes de energia não renováveis usadas no país, a maioria refere-se a óleo (63,4%) e gás (23,3%), além de carvão, energia nuclear e gás industrial.

A oferta interna de energia no ano passado ficou 2,1% menor que a de 2014, informa a resenha. De acordo com o documento, a queda é coerente com o recuo de 3,8% na economia e teve como principais indutores as taxas negativas de 3% no consumo industrial de energia e de 2,6% no consumo de energia em transportes. A resenha mostra ainda que 99,3% dos domicílios particulares do país tinham acesso à eletricidade no fim de 2015. Cerca de 500 mil domicílios ainda não contam com energia elétrica.

A Resenha Energética é um documento oficial elaborado pelo Ministério de Minas e Energia para divulgar os principais indicadores de desempenho do setor energético brasileiro nas áreas de petróleo, gás, bioenergia, energia elétrica, carvão mineral e setores intensivos. O levantamento de dados é feito pela Empresa de Pesquisa Energética, com a participação de agentes do setor e de outros ministérios.


leia também

A gigante da energia paranaense - Como a Copel usou a engenharia para vencer os limites estaduais

Acordo entre Eletrosul e chinesas gerará 10 mil empregos no Sul - As obras devem se prolongar até 2022, com um investimento de quase R$ 4 bilhões

Aneel autoriza reajuste de tarifas de energia da região Sul - Três das cinco cooperativas terão valores reduzidos

Aneel dá prazo para Eletrosul e Shangai fecharem contrato - O negócio gira em torno de R$ 4,1 bilhões, em valores atualizados

Aneel recomenda fim do contrato de concessão da Eletrosul no RS - Os ativos serão incluídos no próximo leilão que licitará 7 mil quilômetros de linhas e investimentos de R$ 14 bilhões

Até 2024, 1 mi de brasileiros devem gerar energia própria - Uma residência pode obter o retorno do investimento a partir de 4 anos

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: