Brasil perde posições em investimento estrangeiro direto

Atualmente, o país ocupa o 12º lugar em um total de 25 países pesquisados pela consultoria A.T. Kearney

Da Redação

redacao@amanha.com.br

Com US$ 80 bilhões em investimento estrangeiro em 12 meses até abril, volume que cobre o déficit em conta corrente de US$ 34,1 bilhões, o Brasil ainda conta com uma situação confortável. Porém, um levantamento da consultoria A.T. Kearney revela que o país perdeu seis posições nos últimos quatro anos em investimento direto estrangeiro. Atualmente, o Brasil ocupa a 12ª posição em um total de 25 nações pesquisadas. Além do Brasil, a América Latina só é representada no ranking pelo México, ainda mais atrás, na 18ª posição. A consultoria usa como base dados da Unctad, que se baseiam na metodologia antiga do Banco Central. 

O Brasil tem perdido representatividade global justamente em um momento em que o apetite dos investidores externos por ativos tem aumentado em outros países, pois há um cenário de liquidez internacional ainda abundante. De acordo com dados da A.T. Kearney, o volume global de investimento externo alcançou US$ 1,7 trilhão no ano passado – o maior desde 2007. Neste ano, 70% das 504 empresas da pesquisa dizem que aumentarão o volume de recursos direcionados para fora de seus países. 

Um dos atrativos para investidores externos no Brasil é que os ativos ficaram relativamente baratos com a desvalorização do real. Como a tendência é de avanço do fluxo global de investimentos pelo menos até 2019, é vital que a situação econômica brasileira se revertesse o mais rapidamente possível. Muitos investidores aportam recursos no país tendo em vista o grande tamanho do mercado doméstico. 


leia também

Dilma diz que sofreu segundo golpe de Estado na vida - Ex-presidente afirmou que recorrerá contra o que chamou de “fraude”

A China fez o que o mercado queria - Corte de juros era algo esperado, mas ainda não é suficiente para ajudar na recuperação econômica, afirmam especialistas

A estabilidade do funcionalismo público é mesmo necessária? - O tema é particularmente importante no contexto de ajuste fiscal, avalia Zeina Latif

A punição virá das gôndolas? - A tentativa de boicote às marcas do Grupo J&F

A responsabilidade do Congresso - O cuidado com os recursos públicos e o respeito à restrição orçamentária deveriam ser valores da casa, opina Zeina Latif

A superfície e as profundezas da economia - Retomada poderá ser difícil dada a situação financeira empresarial

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: