Pedir aumento de salário em plena crise: sim, é possível

Para a empresa, reter talentos é a melhor forma de superar as dificuldades

Por Bernt Entschev

O Brasil vive uma crise econômica. Diante desse cenário, ainda é possível pedir um aumento de salário? A resposta é positiva, mas não será fácil. Uma das atividades mais complexas em um negócio é administrar o valor do trabalho e chegar ao melhor custo-benefício para a empresa e para o funcionário. Quem quer e precisa de um aumento de salário individual (fora dos reajustes previstos em acordos de classe) deve procurar ter, acima de tudo, bom senso. 

Analise sua situação na empresa. A probabilidade de obter um ganho salarial aumenta se sua função tiver uma conotação pessoal. Ou seja, que seja algo feito exclusivamente por você ou que tenha um resultado muito superior ao de outros colegas. Lembro de um contato publicitário que atendia uma grande conta em sua agência. Em um período difícil, o anunciante decidiu reduzir as verbas quase pela metade. O empenho do profissional foi fundamental para que essa queda não fosse maior, garantindo que a conta continuasse a ter faturamento razoável. O resultado foi que, mesmo diante de uma redução de receita, a agência concedeu a ele um aumento salarial. Não é comum, mas foi justo e demonstrou a valorização do profissional. Pense, então, as razões pelas quais você merece ser recompensado. Tem se esforçado mais que os outros? Tem dado mais resultados? Seu trabalho é importante para a empresa? Se alguma das respostas for positiva, vá em frente e peça aumento. Caso contrário, pense bem, pois você corre o risco de ser convidado a se retirar do quadro de funcionários.  

Outro fator fundamental é saber colocar seu ponto de vista com habilidade. Explique o porquê você precisa dessa reposição salarial. Se for o longo tempo que passou desde seu último reajuste, demonstre o que mudou na economia desde então. Se for uma questão pessoal, apresente seus motivos com coerência. Lembre-se que na crise a empresa também fatura menos e o corte de gastos é uma providência natural. Ao conceder individualmente esse benefício, o empregador corre o risco de ter uma fila na porta do RH pedindo o mesmo direito. Também é preciso considerar que, para a empresa, reter talentos é a melhor forma de superar as dificuldades. São os bons funcionários que ajudarão a sair da crise. Esse, talvez, seja seu melhor argumento. 


leia também

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: