Fiesc defende incentivo à geração distribuída de energia

Entidade adverte que é preciso remover o ICMS sobre a recompra

Da Redação

redacao@amanha.com.br

O país precisa criar linhas de crédito subsidiadas, atrair investimentos produtivos e ampliar a capacitação de trabalhadores para difundir a geração distribuída de energia no setor empresarial. Estas são algumas das conclusões de painel sobre o assunto, realizado durante o 7º Seminário Energia + Limpa 2016, na Federação das Indústrias de Santa Catarina (Fiesc) nesta quarta-feira (1). A geração distribuída prevê que os consumidores podem produzir sua própria energia de origem solar ou de biogás e vender o excedente para as distribuidoras.

Para Otmar Muller, presidente da Câmara de Energia da Fiesc, as vantagens do modelo incluem a redução da necessidade de investimentos públicos em geração e distribuição e a criação de novas oportunidades de negócios. Diante destes benefícios, ele alerta que ainda é preciso remover empecilhos como a cobrança de ICMS sobre a recompra de energia pelos consumidores junto às distribuidoras.

Na opinião de Felipe Couto, gerente de planejamento BRDE, um fator que ainda limita o barateamento das linhas de crédito é o tempo relativamente longo esperado para o retorno dos investimentos. “Em um cenário de incerteza como o atual, este tende a ser um fator inibidor para a oferta de linhas atraentes. É preciso fazer um trabalho de conscientização sobre os benefícios do modelo junto às pequenas e médias empresas, que tendem a utilizar as linhas de crédito para incremento da produção ao invés de investir em geração”, sugeriu. Segundo Rodolfo de Souza Pinto, presidente da Engie Energia, o modelo não deve ser indicado como uma solução universal, que beneficie todos os tipos de consumidores. “É preciso definir qual é o público alvo, para depois trabalhar em cima dele”, defendeu.

De acordo com Mauro Passos, presidente do Instituto para o Desenvolvimento de Energias Alternativas na América Latina, que realiza o evento, a viabilidade técnica da geração distribuída de energia de origem solar já está comprovada, o momento agora é de ganho de escala para ampliar a competitividade.

Estágio atual
Regulamentada inicialmente pela resolução 482/2012, a geração distribuída no Brasil passou de 327 unidades em 2014 para 2.798 em 2016. A agência prevê que em 2024 este número chegue a 620 mil. Atualmente, a Alemanha lidera o ranking mundial, com 1,53 milhão de instalações, seguida pela Austrália (1,5 milhão) e Estados Unidos (1 milhão).


leia também

A era dos carros sem “charme” - Será esta a característica dos veículos elétricos e dos autodirigidos?

A gigante da energia paranaense - Como a Copel usou a engenharia para vencer os limites estaduais

A sua marca vai sobreviver aos Millennials? - Unilever e JP Morgan contam o desafio de lidar com jovens consumidores

A superfície e as profundezas da economia - Retomada poderá ser difícil dada a situação financeira empresarial

Aneel autoriza reajuste de tarifas de energia da região Sul - Três das cinco cooperativas terão valores reduzidos

As regras do luxo que prometem transformar metal em ouro - Em seu novo livro, Susana Campuzano propõe um modelo de construção de marcas, produtos e serviços de primeira classe

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: