Juro do cheque especial chega ao recorde de 308,7% ao ano

É a maior taxa da série histórica, iniciada em julho de 1994

Por Agência Brasil

A taxa de juros do cheque especial continuou a subir em abril. De acordo com dados do Banco Central (BC), a taxa do cheque especial subiu 7,9 pontos percentuais, de março para abril, para 308,7% ao ano. Essa é a maior taxa da série histórica do banco, iniciada em julho de 1994. 

Já taxa de juros do rotativo do cartão de crédito caiu 0,8 ponto percentual. Mesmo assim, continua sendo a mais alta das taxas pesquisadas pelo BC. Em abril, taxa ficou em 448,6% ao ano. O rotativo é o crédito tomado pelo consumidor quando paga menos que o valor integral da fatura do cartão. Essa é a modalidade com taxa de juros mais alta na pesquisa do BC. A taxa média das compras parceladas com juros, do parcelamento da fatura do cartão de crédito e dos saques parcelados avançou 4,8 pontos percentuais e ficou em 150,7% ao ano.

A taxa do crédito pessoal teve alta de 4,6 pontos percentuais para 130,8% ao ano. Já a taxa do crédito consignado (com desconto em folha de pagamento) caiu 0,2 ponto percentual para 29,7% ao ano. A taxa média de juros cobrada das famílias elevou 1,6 ponto percentual, de março para abril, quando ficou em 70,8% ao ano. A inadimplência do crédito, considerados atrasos acima de 90 dias, para pessoas físicas ficou estável em 6,2%.

No caso das empresas, a taxa de inadimplência ficou em 5,1%, elevação de 0,2 ponto percentual. A taxa média de juros cobrada das pessoas jurídicas se estabilizou em 31,1% ao ano. Esses dados são do crédito livre em que os bancos têm autonomia para aplicar o dinheiro captado no mercado e definir as taxas de juros.

No caso do crédito direcionado [empréstimos com regras definidas pelo governo, destinados, basicamente, aos setores habitacional, rural e de infraestrutura], a taxa de juros para as pessoas físicas ficou em 10%, queda de 0,1 ponto percentual. O juro cobrado das empresas caiu 0,3 ponto percentual para 11,6% ao ano. A inadimplência das famílias ficou em 2,1% e das empresas em 1,2%, com alta de 0,2 ponto percentual.

O saldo de todas as operações de crédito concedido pelos bancos caiu 0,6%, em abril, quando ficou em R$ 3,1 trilhões. Esse valor correspondeu a 52,4% de tudo o que o país produz – Produto Interno Bruto (PIB), ante o percentual de 53% registrado em março deste ano. “A desaceleração no mercado de crédito se deve, principalmente, à retração do nível da atividade econômica, à elevação das taxas de juros e ao patamar reduzido dos indicadores de confiança de empresários e consumidores, que afetam negativamente a oferta e a demanda de crédito”, avalia o relatório do BC.


leia também

A superfície e as profundezas da economia - Retomada poderá ser difícil dada a situação financeira empresarial

Anefac: juros sobem pelo 16º mês seguido - Bancos elevam taxas para compensar aumento da inadimplência

Bancos não poderão cobrar juros de mercado por atrasos em pagamentos - Para o BC, exigência trará mais uniformidade às operações de crédito e tornará as regras mais claras para os clientes

Bancos se unem para criar empresa de análise de crédito - BB, Bradesco, CEF, Itaú e Santander trocarão dados de clientes

BNDES oferecerá financiamento mais favorável - Maria Silvia Bastos Marques anunciou novas políticas operacionais

BNDES vai ampliar crédito para micro e pequenas empresas - O impacto esperado é de um aumento de 20% nos desembolsos

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: