Karsten deixa de pagar dívida de R$ 237 milhões

Um grupo de bancos pede a penhora das contas da companhia

Da Redação

redacao@amanha.com.br

A empresa catarinense do setor têxtil Karsten (foto) deixou de pagar R$ 237 milhões em debêntures (títulos de dívidas emitidas por empresas privadas) que foram adquiridas por um grupo de bancos, que agora cobra a conta na Justiça e pede a penhora das contas da companhia e de seus acionistas. Os bancos alegam que a companhia feriu uma série de cláusulas, entre elas o não pagamento de juros que anteciparam o vencimento da dívida. Além disso, a Karsten também deixou de transferir duplicatas que deveriam ter sido dada em garantias. As debêntures estão hoje nas mãos de seis bancos: Banco do Brasil, Bradesco, HSBC, Itaú, Santander e Votorantim. As notas explicativas do balanço do primeiro trimestre afirmam, no entanto, que as debêntures vencerão em 2017. 

De acordo com reportagem veiculada pelo Estado de São Paulo, a situação financeira da companhia é bastante delicada, com diversos indicadores no vermelho. “Com persistentes prejuízos desde 2014 que se acumulam em R$ 260 milhões, o balanço da empresa já está há alguns trimestres apresentando patrimônio líquido negativo. Isso significa que o valor total do que deve a credores é maior do que tudo o que possui. Ou seja: se vender lojas, fábricas, produção, não consegue pagar as dívidas. No primeiro trimestre deste ano, o patrimônio líquido estava negativo em R$ 129 milhões”, relata a matéria. 

As demonstrações financeiras informam que a administração está tomando medidas para manter a companhia em operação. A empresa cita também a retomada das negociações com credores das debêntures de forma a adequar o pagamento das debêntures à previsão de geração de caixa. Procurada pelo Portal AMANHÃ, a Karsten não se pronunciou até o fechamento desta edição. 


leia também

A nova ambição do encantador de clientes - Galló anuncia missão de ser “o maior varejo de moda das Américas”

Acredite: até o lucro da Renner caiu - Clima e recessão fizeram resultado ter queda de 10,5%

Aos 60 anos, Lojas Lebes chega à Santa Catarina - Rede de varejo aposta em estratégia cautelosa para crescer

Avós não economizam para os netos - Os 60+ são bem mais importantes para o varejo do que os empresários imaginam

BC: crescimento da inadimplência é gradual - Uso do crédito rotativo, cujas taxas de juros tem subido, deve ser evitado

Black Friday marcada pela desconfiança - Consumidor pesquisará se os descontos são, de fato, reais

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: