Exportação avícola cresce 19% até abril no Paraná

Produção acumulada no ano apresenta alta de 12%

Da Redação

redacao@amanha.com.br

Impulsionada pela taxa de câmbio e pelas constantes habilitações conquistadas pelas indústrias avícolas do Paraná, a exportação da carne de frango no estado apresentou alta de 19% até abril. No acumulado até o período, 523,4 mil toneladas da proteína foram embarcadas frente a 439,9 mil toneladas exportadas entre janeiro e abril de 2015. Os dados são da Secretaria de Comércio Exterior (Secex), vinculada ao Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC).

Com isso, o Paraná lidera os embarques de frango do país, respondendo 35,7% das exportações totais do segmento.  “A avicultura paranaense tem o melhor controle de sanidade do mundo. Não existe nada que tenha um controle sanitário mais relevante do que a avicultura do Paraná e do Brasil. Além disso, nosso estado tem vocação para a atividade, com tecnologia e mão de obra especializada. O que nos permite atender a  demanda de mais de 150 países exigentes”, avalia Domingos Martins, presidente do Sindicato das Indústrias de Produtos Avícolas do Estado do Paraná (Sindiavipar).

A produção seguiu o ritmo acelerado dos embarques e cresceu 12,1% no Paraná, de acordo com o Sindiavipar. No primeiro quadrimestre, 588,6 milhões de cabeças de frango foram abatidas ante 524,6 milhões no mesmo período em 2015. A produção acumulada até abril é a maior desde 2003, quando a produtividade passou a ser registrada no Estado.


leia também

A China rural não existe mais - A mudança do modelo de crescimento econômico continuará elevando as demandas do país mais populoso do mundo

A transformação digital da agricultura - Tecnologia pode melhorar rendimento de produtores

Acordos comerciais fortalecem exportação catarinense - A indústria de cerâmica é uma das primeiras beneficiadas

AEB prevê superávit comercial de US$ 46,9 bi para 2016 - Apesar da ampliação, exportações renderão menos este ano

Ano do Galo: hora de encarar o dragão chinês - Não há mais como o Brasil, a futura quinta maior economia mundial, deixar de levar a maior economia a sério

Atuação em rede que produz melhores resultados - Para Luiz Vicente Suzin, presidente da Ocesc, a intercooperação dá independência ao sistema cooperativista

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: