Fitch rebaixa ratings de Santa Catarina e do Paraná

As notas foram alteradas em função do recente rebaixamento do país

Da Redação

redacao@amanha.com.br

A Fitch (foto) cortou o rating dos Estados de Santa Catarina, do Paraná, de São Paulo e do Rio de janeiro. Em comunicado, a agência de classificação de risco informou que rebaixou também as notas dos municípios de São Paulo e Rio de Janeiro. Santa Catarina e Paraná passaram de BB+ para BB, com perspectiva negativa. No final de dezembro, a Fitch já havia rebaixado as notas de crédito catarinense e paranaense.

A agência destacou que as reduções nos ratings subnacionais seguem o rebaixamento da nota soberana do país de BB+ para BB, com perspectiva negativa. “Considerando as características do quadro institucional brasileiro, a Fitch não acredita que qualquer ente subnacional possa ser classificado com nota superior ao rating soberano”, afirma a Fitch em um curto comunicado. No caso específico do Estado do Rio de Janeiro, o rebaixamento reflete a deterioração fiscal mais acentuada do que o esperado.

O Rio Grande do Sul não possui rating atribuído pela agência. O estudo para obtenção de rating é encomendado às agências de risco pelos governos de Estados e municípios interessados em investimentos e financiamentos externos.  


leia também

Dilma diz que sofreu segundo golpe de Estado na vida - Ex-presidente afirmou que recorrerá contra o que chamou de “fraude”

Economia brasileira crescerá este ano 0,3% - Banco Mundial ressalta que o país deve sair “lentamente” da recessão

FMI: economia crescerá mais fortemente em 2017 - Lagarde fez previsões em artigo para o jornal alemão Handelsblatt

A China fez o que o mercado queria - Corte de juros era algo esperado, mas ainda não é suficiente para ajudar na recuperação econômica, afirmam especialistas

A estabilidade do funcionalismo público é mesmo necessária? - O tema é particularmente importante no contexto de ajuste fiscal, avalia Zeina Latif

A punição virá das gôndolas? - A tentativa de boicote às marcas do Grupo J&F

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: