O que levou a Fitch a cortar o rating do Brasil

Falha do governo em estabilizar as finanças públicas pesou na decisão

Da Redação

redacao@amanha.com.br

Após o fechamento do pregão desta quinta-feira (5), a Fitch (foto) anunciou que cortou o rating do Brasil de "BB+" para "BB" e manteve perspectiva negativa. Com isso, o Brasil fica duas notas abaixo do chamado grau de investimento. A agência havia tirado o "selo de bom pagador" do Brasil em dezembro.

De acordo com o comunicado, a revisão reflete a deterioração econômica do Brasil. A agência de classificação de risco ainda afirma que tomou a decisão tendo em vista a falha do governo em estabilizar a perspectiva das finanças públicas, além do impasse legislativo e da elevada incerteza política que está minando a confiança e a governabilidade interna. A agência de risco calcula que a dívida bruta do Brasil poderá alcançar quase 80% do PIB (Produto Interno Bruto) em 2017.

Outras agências fizeram o mesmo. A Standard&Poor's e a Moody's rebaixaram a nota em fevereiro deste ano. A Moody's que, na época era a única que não havia retirado o selo de bom pagador, baixou a nota para grau especulativo.


leia também

Dilma diz que sofreu segundo golpe de Estado na vida - Ex-presidente afirmou que recorrerá contra o que chamou de “fraude”

Economia brasileira crescerá este ano 0,3% - Banco Mundial ressalta que o país deve sair “lentamente” da recessão

FMI: economia crescerá mais fortemente em 2017 - Lagarde fez previsões em artigo para o jornal alemão Handelsblatt

A China fez o que o mercado queria - Corte de juros era algo esperado, mas ainda não é suficiente para ajudar na recuperação econômica, afirmam especialistas

A estabilidade do funcionalismo público é mesmo necessária? - O tema é particularmente importante no contexto de ajuste fiscal, avalia Zeina Latif

A punição virá das gôndolas? - A tentativa de boicote às marcas do Grupo J&F

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: