Fiesc anuncia Ordem do Mérito Industrial 2016

Por ano, até cinco personalidades são homenageadas

Da Redação

redacao@amanha.com.br

Cecília Ana Rubini Menegotti (Malhas Menegotti), Cesar Gomes Junior (Portobello), Colombo Machado Salles (ex-governador de SC) e Ninfo Valtero König (Atrio Hotéis) receberão a Ordem do Mérito Industrial de Santa Catarina. Instituída pela Federação das Indústrias de Santa Catarina (Fiesc), a comenda é o mais alto reconhecimento da indústria do Estado. O anúncio dos homenageados foi realizado nesta sexta-feira (29), na reunião de diretoria da entidade. A distinção será entregue no dia 20 de maio, durante cerimônia para convidados, que marcará o encerramento da Jornada Inovação e Competitividade da Indústria Catarinense. Criada em 2000, a Ordem do Mérito Industrial reconhece, por ano, até cinco personalidades ou organizações que tenham contribuído para o desenvolvimento da indústria catarinense.

Também no dia 20 de maio, o trabalhador Alírio Caldart, da Fundição Lindner, de Joaçaba, receberá homenagem especial. Ele é o brasileiro com maior tempo de contribuição previdenciária (72 anos). Nascido em Joaçaba em 1928, começou a trabalhar aos 9 anos de idade, antes mesmo e ir para a escola. Aos 12 anos, realizava serviços gerais no Clube Imperial, onde dormia e fazia suas refeições. Ao sair do Clube, Alírio trabalhou fazendo limpeza em casas de famílias na região e cuidando de crianças para que os pais pudessem ir aos bailes promovidos pelo Clube. Foi engraxate, entregador de pães e leite, trabalhou em fábrica de balas e refrigerantes e vendeu picolé nas margens do trilho do trem, em Herval D’ Oeste. Com 16 anos, começou a trabalhar na Lindner como aprendiz de fundição, onde atua até hoje.

Conheça, a seguir, o perfil dos industriais homenageados.

Cecília Ana Rubini Menegotti: nascida em Jaraguá do Sul em 1949, Cecília iniciou sua carreira como professora e, anos mais tarde, fundou a empresa Malhas Menegotti. A empresa, no princípio, destinava-se ao comércio de malhas e artigos do vestuário, atendendo exclusivamente no varejo. Em 1983, passou a fabricar e tingir malhas para fornecer às confecções de pequeno porte. Em 2004, fundou a empresa AMC Têxtil, dona de marcas reconhecidas, como Colcci, Forum e Triton. O grupo possui lojas em todo o Brasil, e no exterior em países como os Estados Unidos, Japão e Emirados Árabes. São seis parques industriais que empregam 3,5 mil trabalhadores e produzem 10,2 mil toneladas em tecidos e 2,8 milhões de peças. Cecília Menegotti destaca-se ainda pelas ações sociais que promove em prol da sociedade. Além de ser atuante na Rede Feminina de Combate ao Câncer, sua indústria apoiou a construção de uma creche em Itajaí e financiou melhorias no Hospital e Maternidade Jaraguá.

Cesar Gomes Junior: natural de Tijucas, Cesar Gomes Junior é formado em administração pela Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC). Além de ser diretor-presidente da Portobello, indústria de revestimentos cerâmicas do município de Tijucas fundada por seu pai, é vice-presidente do Conselho de Administração da companhia e diretor da Pointer Revestimentos Cerâmicos, empresa que pertence ao mesmo grupo. Em sua gestão adotou a meritocracia como estratégia para motivar seus colaboradores. Em 2015, a Portobello inaugurou fábrica em Alagoas, com capacidade para produzir 1,5 milhão de metros quadrados de revestimento. A empresa é hoje uma das maiores do setor de revestimentos cerâmicos da América Latina, emprega 3 mil colaboradores, produz 30 milhões de metros quadrados de revestimento e planeja ampliar as exportações de 20% para 30% em 2016.

Colombo Machado Salles: nascido em Laguna, é engenheiro civil formado pela Universidade Federal do Paraná. Completa 90 anos no dia 20 de maio. Foi governador do Estado de Santa Catarina de 1971 a 1975, tendo como vice o empresário Atílio Fontana, da Sadia. Durante seu governo, Colombo criou o Banco de Desenvolvimento do Estado de Santa Catarina (Badesc). Também instituiu o Plano de Desenvolvimento Catarinense, que consistia em ações voltadas às telecomunicações, transportes, extensão e assistência técnica rural, distribuição de energia elétrica, criação de conselhos comunitários, medicina preventiva, entre outras. Em seu governo foram implantadas 85 mil linhas telefônicas, pavimentadas 608 quilômetros de rodovias estaduais, 5,3 mil metros de pontes e viadutos, além de 671 quilômetros de terraplanagem complementar. Entre suas maiores contribuições estão a obra do aterro da Baía Sul, na Capital, e a construção da ponte Colombo Machado Salles, que leva seu nome por decisão da Assembleia Legislativa (ALESC).

Ninfo Valtero König: natural de Joinville, Ninfo Konig começou a trabalhar aos 8 anos como ajudante do pai numa microempresa de calçados. Atuou nas empresas Lumière, do setor têxtil, Alva, fabricante de máquinas de lavar roupa, e na Tigre. Em 1977 fundou sua primeira empresa, a Akros, que chegou a registrar crescimento médio de 25% ao ano de 1982 a 1999. Em sua empresa, implantou a estratégia de administração participativa, estimulando os colaboradores a agirem como donos do negócio, o que impactou positivamente nos resultados da empresa. Ninfo Konig é economista graduado pela Universidade da Região de Joinville (Univille) e presidente da Valorem Securitizadora de Crédito. Além disso, foi acionista presidente da Átrio Hotéis S/A, empresa com sede em Joinville e em franca expansão. Hoje o empreendimento conta com 903 colaboradores, 24 hotéis prontos, além de oito em construção e 15 contratados.


leia também

As inúmeras lições da Operação Carne Fraca - Glauco Côrte analisa a ação que afetou o setor agroindustrial

Carta une Federações de Indústrias do Sul - 1º Fórum Sul-Brasileiro de Relações do Trabalho debateu reforma

Conselho prorroga mandato da atual diretoria da Fiesc até 2018 - O objetivo é alinhar o fim da gestão com o período eleitoral da CNI

Exportadores catarinenses estimam aumento nos embarques em 2016 - Estudo da Fiesc também revela a urgência de incentivar a produção de bens que demonstram maior dinamismo nas importações

Federações apresentam a Temer prioridades da indústria do Sul - Proposições passam por modernização e reformas

Federações de Indústrias do Sul se posicionam sobre a crise política do país - Entidades manifestam extrema preocupação com o agravamento do aperto econômico que o Brasil atravessa

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: