The Economist mostra Cristo Redentor pedindo socorro

Publicação britânica sugere eleição geral como solução da crise

Por Dirceu Chirivino

dirceu@amanha.com.br

Em sua última abordagem sobre a situação político-econômica do Brasil, a revista The Economist, que elegeu o monumento ao Cristo Redentor como ícone para ilustrar os altos e baixos do país, desta vez estampa na capa Jesus Cristo pedindo socorro (foto). Em seu editorial, a publicação britânica defende a ideia de que a responsabilidade de ter enterrado a economia do país não é apenas da presidente Dilma Rousseff. A revista credita o fracasso também a uma “classe política negligente e corrupta”. 

A The Economist considera parte da culpa à gestão incompetente de Dilma e cita também o fato dela ter tentado proteger o ex-presidente Lula das investigações da Operação Lava Jato. Paralelamente, a publicação afirma que os políticos a favor do impeachment "são, em muitos aspectos, piores" e cita o deputado federal Eduardo Cunha como exemplo.

O editorial sugere ainda que a solução para a atual crise seria fazer novas eleições gerais. 


Deprecated (16384): Accessing `here` as a property will be removed in 4.0.0. Use request->getAttribute("here") instead. - /home/amanha/www/src/Template/Posts/view.ctp, line: 173 You can disable deprecation warnings by setting `Error.errorLevel` to `E_ALL & ~E_USER_DEPRECATED` in your config/app.php. [CORE/src/Core/functions.php, line 311]/posts/view/2178" data-widget-id="AR_1" data-ob-template="RevistaAmanha">

leia também

Dilma diz que sofreu segundo golpe de Estado na vida - Ex-presidente afirmou que recorrerá contra o que chamou de “fraude”

A governança precisa ser mais que corporativa - O país deve debater para evitar que o governo destrua o valor de empresas

A prosperidade de psicanalistas e criminalistas - Os desdobramentos das operações em curso vão escancarar certos porões onde só rara vez entrou a luz solar

A punição virá das gôndolas? - A tentativa de boicote às marcas do Grupo J&F

A responsabilidade do Congresso - O cuidado com os recursos públicos e o respeito à restrição orçamentária deveriam ser valores da casa, opina Zeina Latif

A vingança de Camões - Massacrar o português não é passaporte para o sucesso. É só um atentado civilizacional

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: