Governo quer dividir reforma do ICMS em duas etapas

Reforma pretende amenizar o problema de arrecadação dos estados

Por Agência Brasil

O secretário executivo do Ministério da Fazenda, Dyogo de Oliveira (foto), defendeu nesta terça-feira (19), durante audiência pública no Senado, que a reforma do Imposto sobre Circulação de Mercadoria e Serviços (ICMS) seja dividida em duas etapas, deixando para depois a parte mais polêmica, que trata de redução das alíquotas. Com a reforma, o governo pretende amenizar os problemas de arrecadação dos estados, em decorrência da chamada guerra fiscal.

Segundo Oliveira, as propostas que tramitam atualmente exigem compensação pelas perdas que os estados terão na transição. Os estados e a União avaliam que não terão condições de arcar com essas perdas. “O que estamos começando a discutir é estabelecer o processo de reforma do ICMS em duas etapas, onde começaríamos pela convalidação [reconhecimento] dos benefícios, reduzindo com isso a insegurança jurídica das empresas que têm hoje passivos tributários bilionários, o que inviabiliza novos projetos de investimentos e contribui para a estagnação da atividade. Precisamos retirar esse grande risco jurídico, criando um mecanismo transparente de convalidação”, relatou o secretário.

Para que isso ocorra, Oliveira afirmou que os estados têm de se comprometer a revelar todos os incentivos que possuem, para que sejam aprovados no Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz), por meio de uma cláusula de maioria qualificada, sem a necessidade de cláusula de consenso.

Fundo regional
Após a convalidação, os benefícios dos estados teriam prazo de duração, de acordo com a categoria do incentivo. Durante esse período, as unidades da federação poderiam acessar recursos de um fundo criado com recursos da repatriação, sancionada pela presidente Dilma Rousseff. “Os recursos da repatriação poderiam formar o fundo de desenvolvimento regional. Os estados então continuariam mantendo uma boa capacidade de gestão da política de desenvolvimento regional por meio desse fundo”, explicou o secretário.

Segundo Oliveira, a implementação da reforma do ICMS ocorreria somente em um segundo estágio. “O fundo de compensação não teria recursos suficientes com a repatriação. As propostas atuais preveem que a União complemente esse valor, ou que os próprios estados arquem com essa diferença, que era a proposta original. Só que, no momento atual, nem União nem estados têm condições de arcar com essa perda temporária. Isso, portanto, deveria ser colocado para um prazo um pouco mais adiante, em um segundo estágio, e não neste exato momento. O que é urgente agora é a redução do custo jurídico envolvido em todos esses benefícios”, acrescentou.


leia também

AGU contesta liminar que suspende alta de impostos - A previsão é arrecadar mais R$ 10,4 bi com o aumento do PIS/Cofins

Alta de impostos compromete volta do crescimento - Para industriais do Sul, contas públicas devem ter equilíbrio

Arrecadação de impostos cai 7,3% no primeiro semestre - Em junho, a soma chegou a R$ 98 bi, o pior resultado para o mês desde 2010

Arrecadação de impostos tem queda de 8,2% em setembro - Receita recolheu R$ 94,7 bilhões em contribuições

Arrecadação de impostos tem queda real de 11,53% - É o pior resultado para fevereiro desde 2010

As jabuticabas tributárias fazem o Brasil ser injusto - Opinião é de Rafael Nichele, novo presidente do IET

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: