Câmara aprova processo de impeachment

Foram 367 votos favoráveis e 137 contrários. Pedido irá ao Senado

Da Redação

redacao@amanha.com.br

Depois de uma votação que durou seis horas e 10 minutos, a Câmara aprovou por 367 votos favoráveis contra 137 contrários o prosseguimento do do processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff. Foram sete abstenções e duas ausências. Agora, caberá ao Senado aceitar ou não a decisão dos deputados. 

No total, a região Sul teve 62 votos a favor da continuidade do processo de impedimento e 14 contrários. Entre a bancada gaúcha, 22 votaram a favor e 8 votaram contra o afastamento da presidente, além de uma abstenção. Santa Catarina contribuiu com 14 votos a favor e 2 contrários. O Paraná deu 26 votos favoráveis ao prosseguimento do impeachment e 4 desfavoráveis (veja relação completa ao final).

De acordo com José Eduardo Cardozo, advogado-geral da União, a presidente da República deve se pronunciar oficialmente sobre o resultado nesta segunda-feira (18). "A decisão da Câmara foi de natureza política", disse logo no início de sua entrevista coletiva. 

PARANÁ

Alex Canziani (PTB) – a favor

Aliel Machado (Rede) – contra

Alfredo Kaefer (PSDB) – a favor

Assis do Couto (PDT) – contra

Christiane Yared (PR) – a favor

Diego Garcia (PHS) – a favor

Dilceu Sperafico (PP) – a favor

Enio Verri (PT) – contra

Evandro Roman (PSD) – a favor

Fernando Francischini (SD) – a favor

Giacobo (PR) – a favor

Hermes Parcianello (PMDB) – a favor

João Arruda (PMDB) – a favor

Leandre (PV) – a favor

Leopoldo Meyer (PSB) – a favor

Luciano Ducci (PSB) – a favor

Luiz Carlos Hauly (PSDB) – a favor

Luiz Nishimori (PR) – a favor

Marcelo Belinati (PP) – a favor

Nelson Padovani (PSDB) – a favor

Nelson Meurer (PP) – a favor

Osmar Serraglio (PMDB) – a favor

Paulo Martins (PSDB) – a favor

Ricardo Barros (PP) – a favor

Rubens Bueno (PPS) – a favor

Sandro Alex (PPS) – a favor

Sérgio Souza (PMDB) – a favor

Takayama (PSC) – a favor

Toninho Wandscheer (PROS) – a favor

Zeca Dirceu (PT) – contra

SANTA CATARINA

Carmen Zanotto (PPS) – a favor

Cesar Souza (PSD) – a favor

Celso Maldaner (PMDB) – a favor

Décio Lima (PT) – contra

Esperidião Amin (PP) – a favor

Geovania de Sá (PSDB) – a favor

João Paulo Kleinübing (PSD) – a favor

João Rodrigues (PSD) – a favor

Jorge Boeira (PP) – a favor

Jorginho Mello (PR) – a favor

Mauro Mariani (PMDB) – a favor

Marco Tebaldi (PSDB) – a favor

Pedro Uczai (PT) – contra

Rogério Peninha Mendonça (PMDB) – a favor

Ronaldo Benedet (PMDB) – a favor

Valdir Colatto (PMDB) – a favor

RIO GRANDE DO SUL

Afonso Hamm (PP) – a favor

Afonso Motta (PDT) – contra

Alceu Moreira (PMDB) – a favor

Bohn Gass (PT) – contra

Carlos Gomes (PRB) –  a favor

Covatti Filho (PP) – a favor

Danrlei (PSD) – a favor

Darcísio Perondi (PMDB) – a favor

Giovani Cherini (PDT) – a favor

Heitor Schuch (PSB) – a favor

Henrique Fontana (PT) – contra

Jerônimo Goergen (PP) – a favor

João Derly (Rede) – a favor

José Fogaça (PMDB) – a favor

José Otávio Germano (PP) – a favor

Jose Stédile (PSB) – a favor

Luis Carlos Heinze (PP) – a favor

Luiz Carlos Busato (PTB) – a favor

Marco Maia (PT) – contra

Marcon (PT) – contra

Maria do Rosário (PT) – contra

Mauro Pereira (PMDB) – a favor

Nelson Marchezan Júnior (PSDB) – a favor

Onyx Lorenzoni (DEM) – a favor

Osmar Terra (PMDB) – a favor

Paulo Pimenta (PT) – contra

Pepe Vargas (PT) – contra

Pompeo de Mattos (PDT) – abstenção

Renato Molling (PP) – a favor

Ronaldo Nogueira (PTB) – a favor

Sérgio Moraes (PTB) – a favor


leia também

Dilma diz que sofreu segundo golpe de Estado na vida - Ex-presidente afirmou que recorrerá contra o que chamou de “fraude”

A governança precisa ser mais que corporativa - O país deve debater para evitar que o governo destrua o valor de empresas

A prosperidade de psicanalistas e criminalistas - Os desdobramentos das operações em curso vão escancarar certos porões onde só rara vez entrou a luz solar

A punição virá das gôndolas? - A tentativa de boicote às marcas do Grupo J&F

A responsabilidade do Congresso - O cuidado com os recursos públicos e o respeito à restrição orçamentária deveriam ser valores da casa, opina Zeina Latif

A vingança de Camões - Massacrar o português não é passaporte para o sucesso. É só um atentado civilizacional

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: