IEE divulga o Índice de Liberdade Econômica de 2016

Brasil ocupa a 122ª posição entre os 186 países. Hong Kong lidera

Da Redação

redacao@amanha.com.br

O Índice de Liberdade Econômica, produzido pela Heritage Foundation, foi apresentado nesta terça-feira (12), durante a 29ª edição do Fórum da Liberdade (foto), promovido pelo Instituto de Estudos Empresariais (IEE), em Porto Alegre. O estudo relaciona a forte conexão entre a prosperidade e a liberdade econômica, com dados que envolvem gestão pública, livre comércio e estado de direito. Nesta edição, o trabalho destaca que os países com altos níveis de liberdade econômica obtêm desempenho superior aos outros em áreas como saúde, crescimento econômico, educação e redução da pobreza. 

O Brasil ocupa a 122º posição da lista, liderada por Hong Kong, que se manteve no topo do ranking. Assim, o país caiu quatro posições em relação ao Índice do ano passado, quando ocupava a 118ª posição. Desde 2007, o Brasil tem perdido a sua posição em liberdade econômica. Entre os fatores que geram a queda estão a extensa presença do Estado e a pesada interferência na economia, que continua a limitar o desenvolvimento; a corrupção sistêmica e a fraca proteção aos direitos de propriedade; a alta carga tributária e o enfraquecimento do Estado de Direito. 

Regionalmente, o Brasil está em 21º lugar em uma lista de 29 países. Seu escore é de 56,5 pontos. De acordo com o índice, a limitada experiência do Brasil em reformas orientadas para o mercado desequilibra as áreas de liberdade econômica. A presença do Estado é extensa em setores como energia e serviços financeiros. O legado de décadas de planejamento central e de interferência estatal na atividade econômica continua, e o enfraquecido Estado de Direito solapa o progresso econômico. Na classificação geral, Hong Kong lidera o índice de 186 países, seguido por Cingapura, com 87,8 pontos. O escore médio mundial é de 60,7 pontos, o maior registro nos 22 anos de história do índice.

A mensuração ocorre baseada no escore agregado em que cada um dos 186 países do índice é classificado como “livre”, com escores combinados de 80 pontos ou mais; “maioria livre”, atingindo de 70 a 79,9 pontos; “moderadamente livre”, países que ficam entre 60 e 69,9 pontos; “maioria não-livre”, com escore de 50 a 59,9 ou “reprimido”, abaixo de 50 pontos. A responsável técnica pela divulgação do estudo no Brasil é a pesquisadora em políticas públicas e associada honorária do IEE, Margaret Tse.


leia também

Fórum da Liberdade debate empreendedorismo - Evento, promovido pelo IEE, também homenageará José Galló

Fórum da Liberdade debaterá o futuro da democracia - Tradicional evento trará João Dória, Pedro Malan e James Robinson

Fórum da Liberdade: reforma política é urgente - Malan e Giannetti defenderam a redução de partidos

Rodrigo Tellechea toma posse como presidente do IEE - Um dos objetivos será reformular o ciclo de formação da entidade

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: