Na crise só há um desfecho: a cura ou a morte

Para o CEO da Liderança Serviços, a iniciativa é vital ao negócio

Por Francisco Lopes de Aguiar*

A palavra crise vem do grego “krísis” que era usada pelos médicos antigos com um sentido particular. Quando o doente, depois de medicado, entrava em crise, era sinal de que haveria um desfecho: a cura ou a morte.

Vivemos agora um momento de crise econômica no país, que vem provocando demissões, fechamento de empresas e redução no número de novos negócios. Mas isso não pode ser motivo para desânimo. Pelo contrário, deve ser visto como uma oportunidade. Se tirarmos a letra “s” da palavra crise, veremos o que precisa ser feito para superá-la. Crie e verá que novas formas de realizar o trabalho, além da gestão das empresas e pessoas abreviarão o percurso para a conquista das metas.

Estreitar o relacionamento com os funcionários é o primeiro passo para dar a volta por cima e crescer mesmo diante de um cenário desfavorável. Colaborador motivado – e capacitado – é meio caminho para o sucesso. O segundo passo é valorizar os atuais parceiros, sem esquecer de conquistar os novos. Lembre-se o quão difícil foi fechar contratos no passado para a obtenção da carteira ativa de clientes. Por essa razão, dê a atenção que o parceiro merece. Ao mesmo tempo, é necessário abrir novas frentes e ampliar os negócios para que, dessa forma, se criem novas oportunidades.

Um clima de positividade deve ser permanente nas organizações que pretendem passar pela crise sem danos maiores. Ver sempre o lado bom em tudo ajuda a superar obstáculos e encontrar a solução para dificuldades que venham a aparecer. “Para sobreviver e ter sucesso, cada organização tem de se tornar um agente da mudança. A forma mais eficaz de gerenciar a mudança é criá-la”, ensina o austríaco Peter Drucker, considerado o pai da administração.

Em resumo, o que definirá se a crise será a cura ou a morte de um negócio é a iniciativa do líder e de seus colaboradores. Se a atitude for vencedora, certamente resultará em sucesso!

*Diretor-presidente da Liderança Serviços.


leia também

A magia do vinho no sudoeste da França - Fernando Dourado Filho conta como a bebida pode mudar o rumo dos negócios

A Pauliceia desvairada - São Paulo tem uma legião de fãs e que certamente não a trocam por lugar nenhum no mundo

A recuperação judicial sob o viés do investidor - Palestra em Porto Alegre nesta sexta-feira (16) tem inscrições gratuitas

A responsabilidade da gestão é ainda maior na saúde - Para Pizzato, da Unimed POA, zika é reflexo de falta de planejamento

A superação de crise das empresas requer uma equipe - Para Telmo Schoeler, o grupo deve elaborar plano de ações corretivas

A vez da inteligência na cadeia de suprimentos - A rentabilidade pode até aumentar – mesmo em tempos de crise

comentarios




Ana Delane

Acho que vencer crise e um desafio individual que juntando forças torna -se tarefa de todos .Todos com um só objetivo. Juntos seremos mais que vencedores.

Comentar

Adicione um comentário: