Investidor brasileiro mantém perfil conservador

A poupança manteve a preferência, com uma participação no segmento varejo de 64,7%

Por Agência Brasil

Estudo divulgado nesta quinta-feira (7) pela Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima) mostra que, em 2015, a base de investidores em aplicações financeiras aumentou 2,8%, alcançando 71,6 milhões de clientes que movimentaram um saldo de R$ 2,04 trilhões, valor 8,8% acima do ano anterior. Esse montante se refere tanto às aplicações no segmento varejo quanto no private, em que os recursos excedem a R$ 1 milhão. Em média, as aplicações somaram R$ 28,5 mil. Por região, o Sudeste aparece como responsável pela maior parte dos investimentos (R$ 1,4 trilhão), com uma participação de 68,3%. O Sul participa com 16% (R$ 326,7 bilhões); o Nordeste com 9,3% (R$ 190 bilhões) e o Centro-Oeste com 4,7% (R$ 97 bilhões). 

A modalidade poupança manteve a preferência, com uma participação no segmento varejo de 64,7%, com um saldo de R$ 603,6 bilhões. Este valor, no entanto, é 1,5% inferior ao registrado em 2014. Ainda assim, a poupança está bem à frente da segunda opção mais requisitada, que são os títulos e valores mobiliários, com um saldo de R$ 458,2 bilhões, 18,3% maior do que em 2014. Os fundos de investimento cresceram 17,9%, atingindo um saldo de R$ 329,9 bilhões.

Em nota técnica, a Anbima atribuiu a perda de investimento em poupança ao fato de sua rentabilidade ter ficado abaixo da inflação medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (10,7%). De acordo com o levantamento, além da queda no saldo em poupança, houve um recuo de 20,3% nos negócios com ações, totalizando R$ 19,3 bilhões ante R$ 24,2 bilhões, em 2014. Nesse caso, a avaliação da Anbima é de que houve uma migração para investimentos em títulos e valores mobiliários de renda fixa, cujo volume aplicado cresceu 19,9%. Houve diminuição ainda de 0,6% na procura pelos papéis Certificado de Depósito Bancário (CDB) e Recibo de Depósito Bancário (RDB). A movimentação financeira passou de R$ 130,6 bilhões para R$ 129,7 bilhões.

O maior crescimento foi observado nos títulos do Tesouro Direito, com alta de 56,8%, saltando de R$ 7,8 bilhões para R$ 12,2 bilhões, seguido pelos investimentos em Letra de Crédito do Agronegócio (LCA), com alta de 48,3%, alcançando R$ 82,2 bilhões e Letra de Crédito Imobiliário (LCI) ), com aumento de 31,8%, somando R$ 144,1 bilhões. O presidente do Comitê do Varejo da Anbima, Marcos Daré, afirmou que o resultado do estudo apontou para um perfil de investir conservador. “LCA e LCI são modalidades com liquidez, bom rendimento e sem risco”, explicou. 

Ao apresentar os dados, o presidente do Comitê do Private Banking destacou que, apesar de ter uma participação pequena, de apenas 8,6%, nos grandes investimentos, a previdência vem apresentando crescimento contínuo desde 2009. No segmento private, a maior atratividade, em 2015, foram os fundos multimercados, com uma movimentação de R$ 176,5 bilhões, seguida pelos fundos de renda fixa, com R$ 85,3 bilhões.


leia também

Brasil, um paraíso para os investidores, mas... - Falta de educação financeira faz com que poucos aproveitem

Captação da poupança chega a R$ 5,8 bilhões em agosto - É o sexto mês consecutivo que depósitos superam saques

Coisas em que você deve parar de gastar dinheiro - Assinatura de TV a cabo e fast food são apenas dois exemplos

Dá para ter renda com R$ 500 mil, R$ 250 mil ou R$ 100 mil? - Após dois anos, o rendimento mensal pode alcançar mais de R$ 2,5 mil

Internautas brasileiros vivem no limite - Apenas 9% deles afirmam que poupam todo mês, revela pesquisa do SPC

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: