IBGE revela que estimativa da safra 2016 tem queda

País deve colher 100,2 milhões de toneladas de soja

Por Agência Brasil

A terceira estimativa de 2016 para a safra nacional de cereais, leguminosas e oleaginosas totaliza 210 milhões de toneladas, resultado 0,2% superior ao obtido em 2015, que foi de 209,5 milhões de toneladas. Os dados fazem parte do Levantamento Sistemático da Produção Agrícola (Lspa), estimativas de março, divulgado nesta quinta-feira (7), pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Embora as novas estimativas confirmem que a safra deste ano será novamente recorde, em comparação com as projeções de fevereiro, a produção variou negativamente 0,6%.

As estimativas da área a ser colhida, de 58,4 milhões de hectares, em contrapartida apresentaram crescimento de 1,1% frente à área colhida em 2015 (57,7 milhões de hectares), embora tenha retraído 18.742 hectares em relação às previsões de fevereiro. Mais uma vez, confirmando as estimativas anteriores, os três principais produtos previstos para serem colhidos são o arroz, milho e soja, que, somados, representaram 93% de toda a estimativa de produção e responderam por 86,9% da área a ser colhida. Em relação a 2015, houve acréscimo de 3,1% na área da soja e de 0,4% na área do milho. Já na área de arroz, houve redução de 7,9%. Quanto à produção, houve aumento de 3,2% para a soja e redução de 7,8% para o arroz e de 2,2% para o milho.

Regionalmente, os números não diferem nesta terceira estimativa dos cálculos de fevereiro: a região Centro-Oeste responderá por 42,9% da produção total de cereais, leguminosas e oleaginosas, o que equivale a 90 milhões de toneladas; o Sul por 35,8% do total (75,2 milhões de toneladas); o Sudeste por 9,9% (20,8 milhões de toneladas); a região Nordeste por 8,1% (17 milhões de toneladas); e o Norte produzirá 7 milhões de toneladas. O IBGE ressaltou, ainda, que, na comparação com a safra passada, foram constatados incrementos de 2,1% na produção da região Nordeste, de 7,7% no Sudeste e de 0,2% no Centro-Oeste. Na região Norte, haverá redução de 9,2% da produção, e no Sul, de 1,1%.

Grãos
Por estado, o destaque é Mato Grosso, que lidera como maior estado produtor de grãos, com uma participação de 24,2%, seguido pelo Paraná (18,2%) e Rio Grande do Sul (14,7%). Juntos, eles respondem por 57,1% do total nacional previsto. Mesmo com as estimativas do Levantamento Sistemático da Produção Agrícola apontando, neste terceiro levantamento de março, uma redução de 1,6% em relação às estimativas do mês anterior, a produção de soja nacional será novamente recorde. Segundo o IBGE, espera-se colher 100,2 milhões de toneladas de soja em 33,1 milhões de hectares. Os três principais produtores de soja do país – Mato Grosso, Paraná e Rio Grande do Sul - apresentam até aqui momentos recordes em suas safras de soja.

O Mato Grosso lidera a produção nacional com 27,8% do total do país e espera colher 27,9 milhões de toneladas. No Paraná, a estimativa de produção é de 17,2 milhões de toneladas. O Rio Grande do Sul deve colher 16 milhões de toneladas, neste caso uma queda de 0,8% na comparação com as estimativas de fevereiro. A área plantada e a ser colhida é estimada em 5,5 milhões de toneladas.

Hoje, a Conab revisou a previsão e a safra 2015/2016 deve chegar a 209 milhões toneladas.

leia também

Atividade econômica do Sul cai 2,5% em 2015 - Queda foi puxada por desempenho negativo do comércio e da indústria

Aurora amplia capacidade de armazenagem de grãos - Cooperativa investe mais de R$ 20 milhões em silos no MS

Brasil deve ter neste ano safra 29,2% maior do que em 2016 - As três principais lavouras de grãos deverão ter crescimento

Conab estima queda de 5,4% na safra de grãos - Produção brasileira deve chegar a 196,5 milhões de toneladas

Conab prevê queda de 9,5% na safra de grãos 2015/2016 - Resultado cai devido ao recorde alcançado na produção de 2014/2015

Confiança do consumidor sobe 2,1 pontos em fevereiro - É a segunda alta consecutiva do índice calculado pela FGV

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: