Ações da Braskem seguem em queda por Lava Jato

Os papéis desvalorizaram mais de 5% nesta quinta-feira

Da Redação

redacao@amanha.com.br

Unidade da Braskem

A Operação Lava Jato encontrou documentos que revelam repasses da Odebrecht – parte deles por meio da controlada Braskem (foto) – para mais de 200 políticos de 18 partidos, lista esta que se ampliou, segundo a Folha de São Paulo, podendo passar de 300 de 24 partidos. O fato fez com que as ações da petroquímica que possui unidade no pólo de Triunfo (RS) caíssem mais de 11% na quarta-feira (23). Na manhã desta quinta-feira (24), os papéis já acumulam queda de 5% cotados a R$ 23,24. Às 15h15, a ação teve uma pequena recuperação (-3,9%, R$ 23,50), mas fechou o dia com uma desvalorização de 5,5% (R$ 23,10), a maior desta quinta . Na avaliação de analistas, o medo é que o nome da Braskem apareça em algum novo escândalo, colocando a empresa como mais um meio de pagamento de propina. Até o fechamento desta reportagem, a companhia não se manifestou sobre o assunto.

Entre os mais de duas centenas de políticos listados, 47 são do Rio Grande do Sul. Apesar de a listagem apontar valores, a Polícia Federal (PF) ressalta que isso não significa que haja alguma ilegalidade nos eventuais repasses. Além das tabelas, há dezenas de bilhetes manuscritos, comprovantes bancários e textos impressos. O material foi apreendido em 22 de fevereiro, na fase chamada de Acarajé pela PF. Na tarde de quarta, o juiz Sérgio Moro decretou sigilo sobre a planilha. Como não é possível saber se há envolvimento direto com fatos ilícitos, AMANHÃ decidiu não publicar a relação dos nomes.

leia também

Dilma diz que sofreu segundo golpe de Estado na vida - Ex-presidente afirmou que recorrerá contra o que chamou de “fraude”

A governança precisa ser mais que corporativa - O país deve debater para evitar que o governo destrua o valor de empresas

A prosperidade de psicanalistas e criminalistas - Os desdobramentos das operações em curso vão escancarar certos porões onde só rara vez entrou a luz solar

A punição virá das gôndolas? - A tentativa de boicote às marcas do Grupo J&F

A responsabilidade do Congresso - O cuidado com os recursos públicos e o respeito à restrição orçamentária deveriam ser valores da casa, opina Zeina Latif

A vingança de Camões - Massacrar o português não é passaporte para o sucesso. É só um atentado civilizacional

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: